Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Ministério da Saúde tem menos doses de vacina do que divulga

Em público, Saúde anuncia que tem 560 milhões de vacinas para serem aplicadas. Mas, a deputado, informa que são 281 milhões e que outros 282 milhões estão “em fase de negociação”. Ministro será cobrado, em depoimento na CPI, sobre a discrepância dos números

CorreioBraziliense

Apesar de prometer, por meio de propaganda e pronunciamentos de integrantes do governo federal, contar com mais de 560 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 para imunizar a população, o próprio Ministério da Saúde, em resposta ao questionamento do deputado Gustavo Fruet (PDT-PR), admitiu que tem a metade disso — 281 milhões de imunizantes contratados, contrariando as peças publicitárias oficiais divulgadas no final de março. Segundo a resposta da pasta, as outras 282 milhões de vacinas estão “em fase de negociação”. Apesar disso, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reafirmou ontem que mais de 500 milhões de doses já foram “contratadas”.

“O governo federal não mediu esforços para ter vacinas para imunizar a população brasileira. Mais de 500 milhões de doses já foram contratadas e esperamos que, até o final do ano, com o esforço de todos, possamos imunizar a nossa população”, disse Queiroga, no evento para o lançamento da Pesquisa de Prevalência de Infecção por Covid-19 no Brasil (PrevCOV).

A informação, no entanto, não condiz com a resposta do próprio ministério, que salienta que ainda precisa finalizar o contrato de 210 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, fornecidas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz); de 30 milhões da CoronaVac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan; e de 41,4 de doses fornecidas pelo consórcio internacional Covax Facility, apesar de já estarem sendo entregues pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O cenário é ainda mais confuso porque até mesmo a última projeção contratual de entregas de vacinas, atualizada ontem pelo ministério, indica outro número. Segundo o documento, apenas cerca de 140 milhões são descritos como “quantitativos previstos a serem contratados” — ou seja, ainda não foram realmente fechados acordos de compra desses montantes. Com isso, o país teria adquirido, de fato, cerca de 423 milhões de vacinas, número ainda distantes dos 560 milhões.

Autor do requerimento que indagava a real quantidade de doses, Fruet encaminhou as informações que recebeu à CPI da Covid e ao Tribunal de Contas da União. “Sugeri ao TCU uma auditoria para saber, efetivamente, quantas vacinas foram compradas, pagas, já distribuídas, e quantas estão programadas, já que temos uma enorme desinformação”, explicou o deputado.

Depoimento

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), confirmou que cobrará explicações do atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que será ouvido hoje pela comissão, para a diferença entre os números propagandeados pelo ministério e os realmente contratados. “Vamos saber se tem ou não vacina e quais são os contratos. Vou esperar o ministro aqui com essa resposta”, disse, após a reunião de ontem do colegiado. Queiroga reafirmou, ontem, que tem doses suficientes contratadas para imunizar todos os brasileiros até o final do ano.

Independentemente das discrepâncias nos números apresentados pela Saúde, o Brasil recebeu ontem mais um lote da vacina desenvolvida pela Pfizer e pela BioNTech. Ao todo, são 628.290 doses que desembarcarão no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

O país recebeu 1 milhão de fármacos da Pfizer na última semana e as unidades já foram repassadas às 27 capitais brasileiras, em razão das baixas temperaturas necessárias para a refrigeração das vacinas. O ministério não detalhou como será feita a distribuição das novas 628 mil doses, que fazem parte da remessa de 2,5 milhões de doses esperada para chegar até maio.

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulga balanço...