Entretenimento

Morre Little Richard, lenda do rock, aos 87 anos

Um dos maiores astros da história do rock, músico foi responsável por hits como ‘Tutti Frutti’, ‘Lucille’, Rip it up’ e ‘Long tall Sally’

Astro da história do rock, Little Richard morreu aos 87 anos, na manhã deste sábado (9/5). A notícia foi confirmada pelo filho do artista, Danny Penniman, à revista “Rolling Stone”. A causa da morte não foi divulgada pelos familiares.

Pioneiro do rock n’ roll, nascido na Georgia em 5 de dezembro de 1932, incansável músico, pianista e intérprete, Richard Wayne Penniman, como constava em sua identidade, foi um dos nomes sagrados do ritmo conduzido pelas guitarras elétricas.

O artista, aliás, considerava que o nascimento do rock havia acontecido com o lançamento do clássico “Tutti Frutti”, obra com a sua assinatura que estourou nas paradas de sucesso num Estados Unidos racista e puritano da década de 1950.

— Acredito que esse será o meu legado, pois, quando eu comecei no show business, não havia nada parecido com o rock n’ roll — afirmou, em entrevista recente ao El País.

Revolução cultural

Little Richard empolgou uma legião de jovens durante a década de 1950 ao lado de Jerry Lee Lewis e outros músicos que dilaceraram regras e abriram o caminho para mitos como Elvis Presley, os Beatles, Bob Dylan, os Rolling Stones, James Brown, entre muitos outros.

Ele vendeu mais de 30 milhões de discos em todo o mundo, e sua influência sobre outros músicos foi igualmente impressionante, de Otis Redding a Creedence Clearwater Revival e David Bowie.

Um famoso grito de guerra se tornara um marco em seus shows: “A-wop-bop-a-loo-bop-a-wop-bam-boom”, dizia um dos versos de “Tutti Frutti”.

Esse grito foi mesmo responsável por uma revolução cultural e comportamental na América, alçando o rock à categoria de maior fenômeno cultural da segunda metade do século 20. Todas as gerações posteriores tiveram a influência de Little Richard, de forma direta ou indireta.

Richard no Free Jazz Festival, no Rio Foto: Ivo Gonzalez / Agência O Globo

Conflito com religião

Richard Wayne Penniman era o terceiro de12 filhos de Charles Penniman, um fabricante clandestino de bebidas alcoólicas, e Leva Mae. Cresceu numa família religiosa na qual cantar fazia parte de suas vidas.

A liberdade que a música lhe dava, no entanto, contrastava com a privação que a religiosidade lhe impunha, conflito que levaria por toda sua vida. Aprendeu a tocar saxofone e piano na adolescência, mesmo período em que começou a perder o interesse pela escola e a tocar em várias bandas.

— Hoje, eu separo bem essas duas coisas, Deus e o rock, algo que não conseguia fazer na minha juventude. O rock é minha vida, meu trabalho, mas também acredito em Deus. Posso fazer um grande show e no dia seguinte ir à igreja rezar — explicou em entrevista ao GLOBO publicada em 1997, quando apresentou um show no Brasil (em 1994, ele já havia feito outra performance no país).

Em 1948, foi expulso de casa pelo pai, que acreditava que o comportamento de seu filho não estava de acordo com as leis cristãs. Por várias vezes, Richard recebeu punições por gostar de se vestir com as roupas de sua mãe.

Glam rock e moda andrógina

Em 1950, Little Richard conheceu o cantor Billy Wright, cujo grande cabelo, maquiagem pesada e blues de estilo gospel lhe influenciaram. Foi aí que ele começou a criar uma estética própria, entre o glam rock e a moda andrógina, algo que influenciaria diretamente nomes como Prince e David Bowie.

Nos bastidores, ele passaria a se definir como gay, bissexual e “pan-sexual”, como reforçava. Até gravar seu primeiro disco, em 1951, Richard se apresentou em bares e boates vestido de mulher, sendo chamado de “Anabela”.

Em 1951, Little Richard grava pela primeira vez em estúdio, apoiado pela banda de Wright. Nesse mesmo ano, o artista consegue assinar um contrato com a gravadora RCA Victor. Entre as músicas destaca-se o blues “Every hour”, que se tornou seu primeiro single e um sucesso na Geórgia. O lançamento dessa música, alias, melhorou o relacionamento com seu pai, que começou a tocar a música regularmente em seu bar.

No ano seguinte, porém, ele interrompe a carreira após o assassinato do pai. Com poucos discos vendidos, e tendo que sustentar sua família, ele passa a lavar pratos em uma estação de ônibus de Macon.

Sucesso com ‘Tutti Frutti’

Em 1953, forma uma banda, “The Upsetters”, com Charles “Chuck” Connors , Wilbert “Lee Diamond” Smith, Nathaniel “Buster” Douglas, Olsie “Bassy” Robinson, Clifford “Gene” Burks e Grady Gaines. Little Richard e a banda fazem apresentações em clubes entre 1953 e 1955.

Em 1955, diante do compositor e importante produtor musical Robert Bumps Blackwell, espanca no piano um ritmo boogie woogie e grita improvisadamente a letra de “Tutti Frutti”, uma canção que ele havia escrito e apresentado no palco durante anos até então. Blackwell ficou tão impressionado que o instruiu a repetir a performance quando a sessão no estúdio recomeçou. O resultado foi a gravação histórica, que logo se espalhou pelo mundo.