Blog da Mara | Opinião e Notícia

Jornalista desde 1989. Trabalhou nos jornais Estadão do Norte, O Guaporé e Diário da Amazônia.  Cobriu eleições para a Agência Estado. Trabalhou no Governo de Rondônia por quase 20 anos. Foi assessora parlamentar durante 12 anos no Congresso Nacional. É graduada pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), com especialização em Ciências Políticas pela Unilegis, Universidade do Legislativo Brasileiro.     
Notícia

“Mudança na idade de aposentadoria de professores não passa na Câmara”, diz Paulinho da Força

Duvido que alguém aqui nesta sala consiga explicar a transição proposta pelo Paulo Guedes.

Favorável à reforma da Previdência, com a ressalva de que desaprova pontos da que foi enviada ao Congresso Nacional pelo governo Bolsonaro, o deputado Paulinho da Força disse que a Câmara dos Deputados não votará mudança na idade de aposentadoria de professores. “Se tem professor aqui, podem ficar tranquilos que isso não passa”, disse na tarde de quinta-feira (6) no ato de filiação ao Solidariedade, realizado no auditório do Sindicato dos Servidores Federais de Rondônia (Sindsef).     

 A manutenção da idade da aposentadoria dos professores é quase consenso no parlamento, segundo ele.  “É uma crueldade mudar. Nunca fui professor, mas fui aluno. Se tiver quatro alunos como eu numa sala de aula o professor fica doido antes dos 40 anos. Eu era o diabo na sala”, registrou.

Ele fez um balanço das últimas movimentações das quais participa para garantir que  a idade de aposentadoria dos professores e trabalhadores rurais seja mantida. Atualmente há diversas regras em vigor para os professores, mas em geral os da rede pública podem se aposentar a partir dos 55 anos de idade com, no mínimo, 30 anos de contribuição. Mulheres se aposentam com 50 anos de idade e 25 anos de contribuição.

Paulinho da Força disse ainda que o problema da reforma de Jair Bolsonaro é a transição. “Tem quatro regras, uma vai ligando com a outra, e acho que não tem jeito das pessoas se aposentarem antes dos 65 anos. E isso é injusto porque a pessoa não foi contratada para trabalhar por 65 anos, é oura regra. Defendo uma regra única”, avaliou.

“Duvido que alguém aqui nesta sala consiga explicar a transição proposta pelo Paulo Guedes (ministro da Economia)”, disse.

O presidente nacional do Solidariedade disse que fez uma proposta ao relator da reforma da Previdência, deputado Saulo Moreira (PSDB-SP) e ao secretário da Previdência do Ministério da Economia Rogério Marinho para incluir 30% a mais no tempo que falta para o trabalhador se aposentar.     

“Acho que vai sair um acordo. O correto é você saber quanto tempo faltará para se aposentar. Quanto se tem regras que não se sabe isso nunca, não é possível aceitar um negócio desse. E transição é para 55 milhões de brasileiros”, declarou.  

Estados e municípios

Paulinho da Força defendeu que a reforma da Previdência de estados e municípios seja feita pelos governadores. “Os nove governadores do Nordeste dizem que são favoráveis à reforma mas ficam fazendo nas bases campanha contra. Então que os governadores que assumam o ônus de fazer a reforma deles”, disse.    

Comentários

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios