Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Capital

O nome é Praça Marechal Rondon, não “Praça do Baú”! – Por Rita Vieira

A praça mais antiga de Porto Velho, hoje, se encontra em estado de abandono total.

A praça Marechal Rondon foi construída no final da década de 1930, pelo interventor e nacionalizador da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, Aluísio Pinheiro Ferreira.

Quando foi inaugurada, cortando o percurso da avenida Presidente Dutra e beirando a Rogério Weber, era ponto de encontro entre os moradores daquela outra Porto Velho, a dos memorialistas e da população da época. Seu primeiro nome foi Praça General Rondon, pois o homenageado ainda não tinha a patente de Marechal.

Rondon é o patrono das comunicações no Brasil, devido à seu trabalho de instalação das linhas telegráficas Mato Grosso – Amazonas, no início do século XX, redescobriu o Real Forte Príncipe da Beira, abriu o traçado da atual BR-364 e cada posto telegráfico virou um município do interior do Estado de Rondônia.

Homenagem mais que justa, com o nome da primeira praça de Porto Velho e também do ex-Território e atual Estado. A maior parte da população não conhece a praça por seu nome verdadeiro e sim por “Praça do Baú”, pois na década de 1970 uma loja de móveis com o nome “Baú Barateiro” se instalou em uma das esquinas da praça, se tornando o ponto de referência da mesma, a loja acabou e o apelido desonroso à Praça Rondon ficou.

Ela já foi lugar de grandes comícios políticos durante as décadas de 50 e 60, recebeu Getúlio Vargas e JK, foi também ponto de encontro e alegria, passeios familiares, pois em seu chafariz tinham peixes e na fonte, que fica na parte inferior havia tartaruguinhas, essa historiadora que vos escreve, foi testemunhar ocular desse fato na infância. Os jovens da década de 40 à 80 se encontravam na praça pra não perderem as matinês no cine Resky, que estava quase dentro da praça.

Hoje, somente lixo e descaso restam na praça Marechal Rondon. Ela serve de terminal rodoviário urbano e em 2014, após a cheia histórica do Rio Madeira virou camelódromo, para os ambulantes que perderam seus lugares no antigo shopping popular do cainagua para as águas do Madeirão.

A marchinha da Banda do Vai quem quer, dizia: “domingo, segunda e terça-feira, vou curtir tudo que é bom, mas, na quarta-feira quero amanhecer lá na Praça Rondon…” lembranças de um passado não tão distante (carnavais de 80 e 90), impossíveis de acontecerem agora, devido ao abandono da praça, que não possui mais nem bancos inteiros ou lixeiras disponíveis para passeios e diversão da população.

Sobre a autora:

Rita Vieira

Formada em História pela Universidade Federal de Rondônia (Unir), professora de História na Escola João Bento da Costa e Medquim Vestibulares, especialista em Segurança Pública e Direitos Humanos, além de estudiosa e pesquisadora da História Regional.

Contato: ritaclaravieira@gmail.com

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Destaques

Em 13 de setembro de 1943, foi criado o Território Federal do Guaporé, pelo então presidente do Brasil, Getúlio Vargas. A política do Estado...