Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Rondônia

OAB pede que Governo de Rondônia divulgue os números da fila de espera por UTI

UTI em Porto Velho durante pandemia da Covid-19, em 2021 — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Os dirigentes da Ordem dos Advogados de Rondônia (OAB-RO), em conjunto com os presidentes das Subseções do interior e o presidente da Caixa de Assistência dos Advogados de Rondônia (CAARO), oficializaram na última sexta-feira (29) o pedido de divulgação dos números de pacientes que aguardam vagas nos leitos clínicos e nas UTI’s, através do Governo de Rondônia.

Em nota, a OAB explica que o pedido tem como finalidade “obedecer a transparência e fidelidade na divulgação de dados e apresentar a o real cenário da pandemia no estado de Rondônia à sociedade”.

A expectativa dos dirigentes é que, com o conhecimento desses números, a população passe a obedecer as medidas preventivas do contágio e da propagação do novo coronavírus em Rondônia.

Até a noite do último domingo (31), 42 pacientes aguardavam vagas na CRUE (Central de Regulação do Estado de Rondônia). No boletim divulgado pela Agência de Vigilância Sanitária (Agevisa) e Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Rondônia soma mais de 18 mil casos ativos e ultrapassa a marca de 2 mil mortes.

No sábado (30), dez leitos de UTI foram desbloqueados no Hospital de Campanha da Zona Leste em Porto Velho, após a chegada de novos médicos. Mas, segundo a assessora da Secretária de Saúde do Estado (Sesau), os novos leitos já foram ocupados.

Possível fraude

O Ministério Público de Rondônia (MP-RO) instaurou um inquérito civil para apurar supostas fraudes nos relatórios diários de leitos existentes Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes com Covid-19.

Segundo a denúncia, o governo estadual escondeu o real número vagas de UTI para evitar que fosse obrigado a decretar medidas mais rígidas de isolamento social (a chamada Fase 1 do plano estadual, quando só é permitida a abertura de mercados e serviços essenciais).

O governo de Rondônia se manifestou dizendo que os relatórios epidemiológicos diários com número de leitos vagos, bloqueados e ocupados, com dados extraídos em horários predefinidos “retratam a realidade e a dinâmica do momento de sua expedição e podem variar durante o mesmo dia e até hora de acordo com a internação, alta e óbito de pacientes”.
Colapso na saúde e transferência de pacientes

No fim de janeiro, o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB) declarou estado de colapso na saúde da capital. Na mesma semana, o governador Marcos Rocha (sem partido) confirmou em uma transmissão em uma rede social, que o estado estava em colapso e precisaria transferir pacientes da Covid-19 a outros estados.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, começou a faltar leitos clínicos e de UTIs em todas unidades referências no atendimento de pacientes com coronavírus em janeiro.

No dia 25 de janeiro, foi realizada a primeira transferência de pacientes para Curitiba. Eles embarcaram em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB).
Novos leitos

O governo também anunciou no último sábado (30), que recebeu 20 monitores multiparâmetros e 20 respiradores, encaminhados pelo Ministério da Saúde, e mais 60 bombas de infusão adquiridas pelo Governo de Rondônia. Dessa forma, a unidade da capital amplia de 30 para 50 leitos de UTI.
Para os 20 novos leitos de UTI, ainda não há médicos.

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Destaques

Em meio à pandemia causada pelo coronavírus, com Rondônia registrando 1.460 casos da doença e 50 mortes, o governo de Marcos Rocha, através da...