Connect with us

Hi, what are you looking for?

Destaques

OPERAÇÃO FLAGELO – Desdobramento da Operação absolve agentes da acusação de tortura

O Ministério Público Estadual (MP/RO) emitiu parecer sobre descaraterização de crime de tortura contra um apenado, do qual foi acusado um agente penitenciário durante a Operação Flagelo, deflagrada em junho de 2019 pela Polícia Civil. E os outros três agentes acusados de omissão foram absolvidos.

Durante as investigações, os servidores foram presos preventivamente. O Ministério Pública procedeu o recebimento da denúncia, designando audiência de instrução e julgamento. Quando, ao longo do processo, foram ouvidos os envolvidos e testemunhas e analisados os documentos juntados.

Conforme consta nos autos, buscou-se apurar se o apenado teria sofrido tortura física e psicológica, praticada, em tese, por um dos agentes. Observando que, na denúncia, outros três agentes penitenciários incorriam no mesmo crime, já que foram acusados de omissão –  não intervenção para evitar.

A conclusão foi substanciada por depoimentos, provas coligidas, como pelo Registro de Ocorrência Policial (nº 60277/2019), Relatório de Segurança (Sejus)  Laudo de Lesão Corporal (nº 2869/2019), Ficha de atendimento do Apenado, Laudo de Exame de Degravação de Imagens de Circuito de TV, além de outras provas.

Desclassificação do crime

Diante das provas colhidas, o entendimento do MP foi de que “a tipicidade não está devidamente delineada nos autos, restando demonstrada a não caracterização de crime de tortura”.

“Por fim, ocorrendo a desclassificação do crime de tortura para lesão corporal, que o efeito seja encaminhado ao Juiz Especial Criminal, tendo em vista tratar-se de delito de menor potencial ofensivo”, despachou o magistrado Shalimar Christian Priester Marques, da 26ª Promotoria de Justiça do Ministério Público Estadual.

Ainda inclui no pedido a absolvição dos três agentes penitenciários que também foram denunciados na Operação Flagelo, acusados de omissão.

Falha na Operação

O Singeperon, sindicato que representa os agentes penitenciários (hoje transformados em policiais penais), destaca a atuação da defesa feita pelo corpo jurídico da entidade como fundamental para que os fatos viessem a serem esclarecidos, e considera que “houve uma precipitação por parte do delegado que pediu a prisão preventiva dos servidores”, e que a operação da Polícia Civil deu ampla publicidade na imprensa estadual à acusação infundada de crime de tortura, atingindo a imagem dos agentes públicos, bem como causando intenso sofrimento aos seus familiares.

 Fonte: Assessoria/Singeperon 

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Rondônia

Nesta manhã, a diretoria do SINPOL, reuniu-se com o Secretário de Saúde, Dr. Fernando Máximo, com o Secretário de Segurança Adjunto, Dr. Hélio Gomes...