Mundo

Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária

ORondoniense Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
ORondoniense Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Above

A Assembleia Nacional (Parlamento) da Venezuela aprovou um acordo que autoriza a entrada de ajuda humanitária no país, para amenizar os impactos da crise social venezuelana. A oposição é maioria na Assembleia Nacional.

O acordo aprovado ontem (15) prevê “autorizar a ajuda humanitária para atender à crise social” e “apelar aos organismos multilaterais a não permitir o monopólio do Estado sobre a administração e orientação de ajuda humanitária”.

Segundo o documento, o Parlamento apela também para que sejam “aprovados fundos de organismos bilaterais ou de agências de cooperação sobre a atribuição de subsídios diretos a lares mais vulneráveis”.

“Que se permita a entrada no país de vacinas para subir o nível atual de cobertura de 25% ao padrão internacional de 98%, para assim atender as epidemias de sarampo e difteria, assim como o tratamento para a malária”, diz o texto do acordo.

A Assembleia Nacional quer ainda todos os centros de nível primário de saúde com suplementos nutricionais, alimentos terapêuticos e esquemas suplementares para grávidas. De acordo com o texto, há uma crise hospitalar no país, uma epidemia de malária e o retorno de doenças como a tuberculose e a difteria.

O envio de ajuda humanitária deve observar os “critérios de universalidade, humanitarismo, neutralidade, imparcialidade e prestação de contas”.

O documento também prevê “apelar e gerir a produção e importação extraordinária de alimentos básicos para abastecer o país”.

O acordo observa ainda que Assembleia Nacional “é o único poder legitimado pelo povo e reconhecido pela comunidade internacionais” na Venezuela.

Segundo o parlamento, “o regime de Nicolás Maduro produziu a pior crise humanitária da história da Venezuela, que se traduziu em fome, hiperinflação, escassez de medicamentos e alimentos”.

A Assembleia Nacional destaca que, em fevereiro de 2016, o Parlamento decretou emergência alimentar no país, e o Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou, em setembro de 2018, resolução reconhecendo a crise humanitária na Venezuela.

Números

Os resultados de uma pesquisa sobre as condições de vida dos venezuelanos, elaborada por várias universidades, mostam que 87% da população estão em situação de pobreza, mais de 8 milhões de cidadãos comem duas ou menos vezes ao dia e seis em cada 10 venezuelanos perderam em média 11 quilos no último ano.

Dados da Caritas venezuelana demonstram que duplicaram os níveis de desnutrição em crianças e grávidas, que há mais de 30% de prevalência de retardo irreversível no crescimento, mesmo entre crianças recuperadas da desnutrição.

O documento refere ainda que 88% dos hospitais têm falta de medicamentos e materiais médicos, 100% dos laboratórios prestam um serviço intermitente, 96% dos serviços de nutrição hospital não estão ativos, 66% dos serviços pediátricos não contam com fórmulas para recém-nascidos, 59% das camadas dos hospitais não estão operacionais, 53% dos pavilhões dos centros de saúde públicos não funcionam e 79% deles não têm água.

Agência Brasil

O Rondoniense
Below