Capital Destaques Especiais politica

PATRIOTISMO – Cadê a Bandeira que deixei aqui?

Precisamente no dia 02 de abril de 2018, a Gestão do Governo do Estado de Rondônia realizou um evento simples, porém de grande relevância: a instalação, na entrada da cidade de Porto Velho, no Trevo do Roque, de um mastro de 45 metros de altura, com a bandeira de Rondônia e a efígie do ex-Governador Jorge Teixeira de Oliveira.

Segundo fala do então Governador do Estado, Confúcio Moura, o pavilhão, que simboliza o estado, deveria inspirar a união dos rondonienses em favor do progresso, entretanto, o símbolo instalado na entrada da Capital, ao que se vê, não é mais nem lembrado, e a efígie, infelizmente, desapareceu do local, possivelmente furtada.

Quando fora inaugurado, o então secretário de Planejamento Orçamento e Gestão, George Braga, falou que a ideia de construir o monumento surgiu ainda em 2011, porém foram necessários mais de sete anos para que a idealização pudesse ser concretizada, pois necessitava de autorização de órgãos como Ministério da Aeronáutica, Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit), além da conclusão do projeto executivo e do treinamento para dois policiais estarem aptos à realização do hasteamento da bandeira.

Na época, só o processo de licitação durou cerca de oito meses, no valor aproximado de R$ 180.000,00(cento e oitenta mil reais) e a vencedora foi uma empresa do Sul do país, que foi responsável pela instalação do mastro com motor e criação da efígie do ex-governador Jorge Teixeira.

Atualmente

Hoje, passados praticamente um ano e três meses da nova Gestão do Estado de Rondônia, não há mais o tradicional hasteamento da bandeira, aliás, pelo que foi possível apurar, desde que mudou a gestão do Estado não é mais realizada tal ação. 

A falta de continuidade desse hasteamento, na verdade, parece, um contrassenso, considerando o viés militar e, porque não, “cívico” do atual Governo de Rondônia, que deveria prestigiar a conservação dos monumentos e espaços voltados ao patriotismo, seja a nível Estadual ou Federal.
Obras, independentemente de terem sido pensadas, licitadas ou executadas pelo Governo “A” ou “ B”, são obras públicas, e como tal, devem ser mantidas e conservadas, a não ser que fique cabalmente demonstrada a total inviabilidade econômica do empreendimento frente aos ganhos, se não econômicos,  sociais que ele representa, o que não parece ser o caso.

O mais preocupante ainda está na possível confirmação de furto da efígie do Jorge Teixeira, que faz parte do patrimônio do Estado.
Não bastasse, em uma onda febril de patriotismo no Brasil que elegeu o que podemos considerar o líder de tal ação, e consequentemente o atual governador do Estado de Rondônia, Marcos Rocha, que é patriota, militar e filiado ao partido que elegeu o atual Presidente Jair Messias Bolsonaro, é de se estranhar o aparente descaso com uma ação simples, porém totalmente nacionalista.

Em relação a essa circunstância, que podemos considerar como, porque não dizer, DESÍDIA,  entramos em contato com a comunicação do Estado, entretanto, até o fechamento desta matéria, a resposta do órgão foi:”Recebemos a demanda. Retornaremos com um posicionamento assim que possível”.

Para a população, porém, fica o interesse de entender os reais motivos que levaram o Estado a parar com tal ação, pois aquele monumento, além de embelezar a entrada da cidade, efervesce o amor à pátria e ao nosso querido Estado de Rondônia.
Porto Velho
Na BR 364, também no Trevo do Roque, entre os dois elevados a pomposa bandeira do Município de Porto Velho, ainda mantem-se imponente e deslumbrante, hasteada em um mastro com 36 metros de altura.
Quem chega a Porto Velho pela BR-364 pode visualizar de longe um dos seus principais símbolos – a bandeira do Município (medindo 6×9 metros) devidamente hasteada.

Segundo Eduardo Damião, o secretário da época, o objetivo da instalação da Bandeira de Porto Velho era oferecer aos munícipes o senso de pertencimento da cidade, além de resgatar o amor e o orgulho pela capital de Rondônia. Outro ponto importante é fazer com que as pessoas conheçam “a nossa bandeira”.