Brasil

‘Pensei que fosse morrer’, diz técnica de enfermagem do Hospital Badim que ajudou a resgatar pacientes.

Depois de ajudar a socorrer todos do CTI cardíaco, Marília Cristina desmaiou na calçada; desde então está internada.

As mãos tremem e as lágrimas correm pelo rosto da atendente de enfermagem Marilia Cristina Silva Afonso, de 35 anos, quando se lembra da correria para salvar os pacientes do CTI cardíaco do Hospital Badim, na Tijuca, que pegou fogo na noite de quinta-feira . Ela não se recorda do número de pessoas que ajudou a retirar do terceiro andar do prédio, mas a lembrança da rede de solidariedade para salvar vidas, ela garante que nunca se esquecerá.

“Só pensávamos em salvar os pacientes. Eles vinham em primeiro lugar, mandamento da enfermagem. Depois que percebi não ter mais forças, desabei. Pensei que fosse morrer e que nunca mais veria minhas duas filhas ”

MARILIA CRISTINA SILVA AFONSO

Atendente de enfermagem

Além de retirar os pacientes internados, Marilia conta que tinha como tarefas verificar os sinais vitais e estabilizar as vítimas. Em seus 16 anos de profissão, destes,  há pouco mais de um ano no Badim, ela nunca imaginou que enfrentaria uma situação tão traumática:

— Tinha acabado de chegar ao serviço, quando o incêndio começou. A minha equipe de técnicos de enfermagem, enfermeiros e fisioterapeutas se juntou a outra que estava deixando o plantão. Fazíamos de tudo: jogávamos colchões pela janela, levávamos os pacientes para fora, buscávamos os equipamentos e os remédios fundamentais para estabilizar os pacientes. Levamos todos para a creche que se transformou num campo de guerra — conta Marilia, que está tomando soro e fazendo nebulização.

 

Fonte
Vera AraújoO Globo
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios