Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Pesquisadores da USP produzem e isolam coronavírus em laboratório

Com o material, é possível fazer diagnóstico da doença em até quatro horas

Pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) isolaram e cultivaram o vírus SARS-Cov2, conhecido como coronavírus. O material foi obtido dos dois primeiros brasileiros diagnosticados com a doença, internados no Hospital Israelita Albert Einstein.

O vírus será distribuído por laboratórios e grupos de pesquisa ao redor do país para otimizar os estudos sobre a doença. “A disponibilização de amostras desse vírus cultivados em células permitirá aos laboratórios clínicos terem controles positivos para validar os testes de diagnóstico, de modo a assegurar que realmente funcionem”, disse à Edison Luiz Durigo, professor do ICB-USP e coordenador do projeto.

Segundo ele, essas amostras ajudam no diagnóstico da doença porque servem para a aplicação de testes. Até agora, as amostras usadas foram importadas da Europa e dos Estados Unidos, a um custo que varia entre R$ 12 mil e R$ 14 mil.

Na rede pública, apenas quatro organizações já realizam o teste: Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo; Instituto Evandro Chagas, no Pará; Fiocruz, no Rio de Janeiro; e Laboratório Central de Goiás.

“Os vírus que conseguimos cultivar em laboratório poderão ser usados em um kit para diagnóstico que o Ministério da Saúde distribuirá para os Laboratórios Centrais de Saúde Pública [Lacens] em todo o país. Com isso, todos os estados estarão aptos a realizar o diagnóstico”, disse Durigon à Agência FAPESP.

Segundo o pesquisador, o frete da importação encarece porque o transporte precisa ser feito em gelo seco.

Durigon afirma que com a tecnologia é possível “fazer o diagnóstico em até quatro horas. Mas ainda são poucos os laboratórios no país que têm o equipamento disponível”. Por isso, os pesquisadores também pretendem desenvolver outros testes de diagnóstico, com tecnologias mais acessíveis.

“Seria possível que outros laboratórios e hospitais que não têm o equipamento para o exame por RT-PCR também façam diagnóstico”, disse Duringon.

O pesquisador diz ainda que a estrutura usada para desenvolver a tecnologia foi inicialmente criada para o cultivo do vírus zika.

“Quando houve o surto de zika, no final de 2015, fomos pegos de surpresa e conseguimos, com recursos da FAPESP, também ser os primeiros a isolá-lo e cultivá-lo em laboratório para disponibilizá-lo para os laboratórios e grupos de pesquisa”, afirmou. “Por isso o financiamento contínuo à pesquisa é importante. Em razão dos investimentos feitos no passado há uma infraestrutura de pesquisa em São Paulo que permitirá responder mais rapidamente às demandas, sem sair do zero”, completou.

Fonte: Revista Fórum

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Rondônia

Nesta manhã, a diretoria do SINPOL, reuniu-se com o Secretário de Saúde, Dr. Fernando Máximo, com o Secretário de Segurança Adjunto, Dr. Hélio Gomes...