Destaques Especiais Rondônia

Plano de ação contra o Coronavírus é apresentado; Lockdown não está descartado

Na sexta – feira (08), foi apresentado pelo Governo de Rondônia e a Prefeitura de Porto Velho um plano de ação “Todos por Rondônia” com novas medidas para frear a disseminação do novo coronavírus.

O anúncio foi feito em entrevista coletiva.

O plano deve ser publicado na próxima semana no Diário Oficial. As medidas serão implementadas a partir da próxima semana em razão do aumento de casos confirmados no Estado e será retomado as medidas de restrição anteriormente definidas quando o Estado decretou a situação de calamidade pública.

Conforme o governo, a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e o avanço na confirmação de casos de Covid-19 são parâmetros para determinar o nível de medidas restritivas em cada município e que constam no plano de ação (entenda como vai funcionar abaixo).

O chamado “lockdown”, a medida mais radical imposta nos estados para que haja distanciamento social, não é mencionado no plano de ação, mas ainda não foi descartado pelo estado.

No pronunciamento,  Marcos Rocha, falou sobre a ascensão da curva do Covid – 19 no estado. O Governador repudiou a realização de festas e encontros, além de ter reforçado que o plano é uma medida mais intensiva para combater o aumento nos casos e mortes.

“Será um distanciamento social avançado, ampliado. Não existe idade. Aqui é uma questão de gente procurando ajudar. São 39 falecidos, 39 famílias perderam seus entes queridos. A gente não quer que chegue ao ponto de escolhermos quem vive e quem morre. Nós precisamos do apoio de todos”, declarou Marcos Rocha.

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, também se posicionou na coletiva, e disse que, caso tais medidas de prevenção não sejam adotadas, chegará ao ponto de implementar o “lockdown”. “Estamos caminhando para um colapso hospitalar”, finalizou.

O plano de ação será dividido em quatro fases, sendo elas: distanciamento social ampliado, distanciamento social seletivo, abertura comercial seletiva e abertura comercial e prevenção contínua. Veja a apresentação aqui.

1ª Fase – Distanciamento social ampliado:

É a fase inicial do plano com medidas de distanciamento social. Tal etapa será implementada se a taxa de ocupação de UTI for acima de 50% e os números de casos confirmados de Covid-19 dobrarem a cada dois dias no respectivo município. Nessa fase, será determinada:

  • Movimentação dos cidadãos somente para a realização de compras ou trabalho;
  • Comércio aberto apenas para serviços essenciais;
  • Suspensão de visitas às unidades prisionais, asilos e hospitais;
  • Home office para servidores e trabalhadores em geral;
  • Proibição de reuniões e aglomerações com mais de 5 pessoas.

O que abre nessa fase?

  • Atacadistas;
  • Autopeças e serviços de manutenção;
  • Açougues;
  • Clínicas de atendimento na área da saúde;
  • Laboratórios de análises clínicas;
  • Consultórios veterinários e pet shops;
  • Distribuidoras;
  • Farmácias;
  • Indústrias;
  • Serviços bancários;
  • Obras e serviços de engenharia (atividades essenciais);
  • Oficinas mecânicas, borracharias e lava-jatos;
  • Postos de combustíveis;
  • Restaurantes e lanchonetes apenas entregas e retiradas no local;
  • Serviços funerários;
  • Supermercados.

2ª Fase – Distanciamento social seletivo: 

Ocorre a passagem para a segunda etapa, caso a taxa de ocupação de UTI no município seja inferior a 50% e que os registros de casos confirmados estejam desacelerados nos últimos 14 dias no município.

Além das determinações previstas na primeira fase, serão inclusos o isolamento para pessoas do grupo de risco e a abertura dos estabelecimentos que não promovam aglomerações e risco de contaminação, com base em estudos.

O que abre nessa fase?

  • Advocacia e cartórios;
  • Comércio de produtos agropecuários;
  • Concessionárias e vistorias veiculares;
  • Distribuidoras e lojas de produtos naturais;
  • Escritórios de contabilidade;
  • Hotéis e hospedarias;
  • Lavanderias;
  • Livrarias, papelarias e armarinhos;
  • Loja de eletrodomésticos, móveis e utensílios;
  • Lojas de equipamentos de informática;
  • Obras e serviços de engenharia e lojas de materiais de construção;
  • Óticas e comércio de insumos na área da saúde;
  • Lojas de máquinas e implementos agrícolas.

3ª Fase –  Abertura comercial seletiva: 

Ocorre a passagem para a terceira etapa, caso a taxa de ocupação de UTI no município seja inferior a 40% e que os registros de casos confirmados estejam desacelerados nos últimos 21 dias na cidade.

Além das determinações previstas na primeira e segunda fase, será permitida a abertura de restaurantes (com consumo no local), respeitando as regras de distanciamento social e proibida a aglomeração acima de 30 pessoas.

4ª Fase  – Prevenção contínua: 

Ocorre a passagem para a quarta etapa, caso a taxa de ocupação de UTI no município seja inferior a 20% e que não haja casos confirmados nos últimos sete dias. Na fase final, todo o comércio será aberto e o governo determina que sejam mantidos os hábitos de higiene e cuidados, além de obrigatório o uso da máscara por 120 dias após o início da fase 3, ainda com previsão de multa.

Ampliação de Leitos

Na coletiva, foi anunciado que o Estado começou a realizar a ampliar os leitos de UTI e clínicos para a rede pública. Segundo o plano de ação, a meta é conseguir 207 leitos clínicos e outros 67 de UTI. Para isso, a contratação será dividida nas seguintes datas e quantidades:

Leitos clínicos

  • 67  leitos a partir de 8/5
  • 35 leitos a partir de 11/5
  • 105 leitos a partir de 26/6

Leitos de UTI

  • 19 UTI a partir de 8/5
  • 12 UTI a partir de 13/5
  • 35 UTI a partir de 18/5

O governo informou na coletiva, que além da compra do Hospital e Maternidade Regina Pacis, o Estado contratou mais um hospital particular para a internação de pacientes diagnosticados com o novo coronavírus. O contrato de aproximadamente R$ 10 milhões com o Hospital Samar é válido por três meses. São 15 leitos de UTI e 50 clínicos na unidade de saúde privada.

No anúncio, Fernando Máxino disse que o Regina Pacis será pago em parcelas e a unidade servirá como um hospital de campanha.

Avatar

Rondoniense

Add Comentário

Clique aqui para publicar um comentário