Capital

‘Prédio do Relógio’ será reinaugurado pela Prefeitura no próximo dia 14 de junho

Above

Sob responsabilidade da Prefeitura de Porto Velho, atualmente abrigando toda estrutura do gabinete do prefeito Hildon Chaves, incluindo a Secretaria-Geral de Governo (SGG) e a Coordenadoria Municipal de Comunicação (Comdecom), a antiga sede administrativa da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM), mais conhecida como ‘Prédio do Relógio’, será reinaugurada nesta sexta-feira (14/06), com solenidade às 9h da manhã.

A edificação, situada na esquina das avenidas 7 de Setembro e Farquhar, é uma das mais antigas construções da capital rondoniense. Ela foi entregue à prefeitura por meio de um convênio com o Governo Federal. O prédio precisou ser totalmente reformado, pela gestão municipal, para receber os órgãos e departamentos ligados ao gabinete do prefeito. Por se tratar de um patrimônio histórico e símbolo cultural da cidade, toda estrutura original foi preservada.

Além dos reparos na estrutura, o edifício ganhou pintura nova, rede elétrica, sistema de internet, móveis e divisórias, entre outros, deixando-o em condições de abrigar a sede administrativa do Município. A reforma foi realizada pela Secretaria Municipal de administração, com apoio da Subsecretaria Municipal de Obras (Semob) e Empresa de Desenvolvimento Urbano (Emdur).

História

O ‘Prédio do Relógio’, conforme o historiador Anísio Gorayeb, foi inaugurado no dia 15 de janeiro de 1950, pelo então governador do Território Federal do Guaporé, Joaquim Araújo Lima, e pelo diretor da EFMM da época, Dr. Ananias Ferreira de Andrade. O projeto arquitetônico, em forma de uma locomotiva, é do arquiteto carioca Armando Costa. O relógio, cuja máquina é francesa da marca Jacques Perret, foi comprado em 1949, no Rio de Janeiro.

“Este relógio era visto de qualquer ponto da cidade, portanto, era considerado o nosso ‘Big Bem’. Praticamente a cidade toda se guiava por ele. A EFMM, também baseada por ele, tocava sua sirene no início e término de cada jornada de trabalho. Portanto, se as pessoas não pudessem vê-lo, com certeza ouviriam a sirene e saberiam as horas”

Disse Gorayeb.

Ainda de acordo com o historiador, o relógio era ligado a um grande sino que tocava a cada quinze minutos, nele estão gravados os nomes do governador do antigo Território e do diretor da EFMM que o inauguraram.

Below