Capital

Prefeito nega que houve propina e refuta acusações que resultaram em operação da PF na Semed

Above

Durante coletiva de imprensa realizada na tarde de quarta-feira (4/9), o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, refutou todas as acusações e suspeitas que resultaram em mais uma operação da Polícia Federal na Secretaria Municipal de Educação (Semed), apontando supostas irregularidades no contrato do transporte escolar.

“Respeito a decisão das instituições, mas tenho o direito de discordar. Até aqui, num inquérito de mais de 800 páginas, não há nenhum fato que indique recebimento de propina”, enfatizou o prefeito, acrescentando que tem todo interesse em apurar irregularidades que por ventura vierem a acontecer, para salvaguardar o erário.

Hildon Chaves também afirma que o problema do transporte escolar em Porto Velho já se arrasta por mais de dez anos, e que o contrato foi renovado de forma precária para não deixar os alunos sem transporte, mas tudo dentro da mais absoluta legalidade.

Disse ainda que já concluiu a licitação definitiva para a prestação do serviço e que todas as planilhas passaram pelo crivo dos órgãos de controle e fiscalização.

Sobre as suspeitas de superfaturamento de 40%, o que teria elevado o preço do quilômetro rodado de 7 para 11 reais, o prefeito afirma que esses cálculos foram feitos em relação ao preço que era praticado há 5 anos atrás e não de agora.

Em relação ao repasse de verbas para as empresas prestadoras do serviço, Hildon Chaves foi categórico ao afirmar que o pagamento é proporcional ao serviço prestado e não de forma aleatória, sem que o transporte dos alunos tenha sido feito.

Confiança

Antes de falar sobre a operação, Hildon Chaves, acompanhado de vários assessores, fez questão de enaltecer a postura e o caráter da titular da Superintendência Municipal de Licitações (SML), Patrícia Damico. “Reafirmo a minha absoluta e total confiança na Patrícia, que vem prestando um serviço extraordinário a Prefeitura de Porto Velho e a sociedade de Porto Velho”, pontuou.

Dados apresentados pelo prefeito, atestam que a SML já conseguiu economizar R$115.531.106,10. “Repudio qualquer dúvida que se coloque sobre o caráter dessa mulher, que eu conheci como assessora por mais de 10 anos dentro do Ministério Público Estadual, e depois, assessora por muitos anos do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas”, afirmou o prefeito.

Below