Mundo

Princesa Latifa, filha do emir de Dubai, afirma em vídeo que foi sequestrada; Reino Unido pede provas de que ela esteja viva

Em 2018, a princesa Latifa, de 35 anos, filha de Mohammed bin Rashid Al Maktum, tentou sem sucesso escapar de barco de Dubai.

G1- O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, disse nesta quarta-feira (17) que gostaria de ter provas de que a princesa Latifa, filha do emir de Dubai, nos Emirados Árabes, está “viva e com boa saúde”.

Foram veiculados vídeos nos quais ela afirma ter sido sequestrada.

“As pessoas gostariam de vê-la viva e em bom estado de saúde e certamente ficaríamos felizes com isso”, disse Raab, após a difusão dos vídeos nas emissoras BBC e Sky News. “Essas imagens são muito angustiantes. É um caso muito difícil. E acho que é preocupante”, declarou o ministro.

Prisão para o resto da vida

No vídeo, ela afirma que está em uma mansão. “Estou sequestrada, e esta mansão virou uma prisão”, disse a princesa em um vídeo gravado com um celular, do banheiro, porque “é o único cômodo com uma porta que posso fechar.”

“Todas as janelas estão fechadas, há cinco policiais do lado de fora e duas policiais do lado de dentro”, afirmou ela, nos vídeos divulgados.

“Eu me preocupo todos os dias com a minha segurança e com a minha vida. A polícia me disse que ficarei na prisão por toda minha vida e que nunca mais verei o sol”, disse.

Na terça-feira, uma porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos disse à BBC que questionará os Emirados Árabes Unidos sobre a princesa.

Dominic Raab afirmou que este era o “caminho correto” a seguir e que continuará atento ao caso.

Tentativas de fuga durante férias

Em março de 2020, a Justiça britânica determinou que o emir do Dubai ordenou o sequestro de duas de suas filhas, Latifa e Shamsa. Com apenas 18 anos, esta última tentou fugir do pai em 2000, durante as férias na Inglaterra. Segundo o relato de Latifa, Shamsa foi encontrada depois de dois meses, “drogada”, levada de volta para Dubai e “presa”.

Em 2019, a princesa Haya, irmã do rei da Jordânia, refugiou-se em Londres, onde iniciou o processo de divórcio de Mohammed bin Rashid Al Maktoum. Ela o acusa de violência de gênero.

G1