Destaques Rondônia

Produtores do setor de laticínio resolvem paralisar suas atividades

Produtores de leite pararam atividades até entrarem em acordo com laticínios, em RO — Foto: Consuleite/Arquivo Pessoal

Produtores de leite não conseguiram firmar um acordo com as empresas de laticínios, e por falta de alinhamento no reajuste do preço do litro do leite, os fornecedores estarão interrompendo as atividades produtivas no setor leiteiro no estado de Rondônia. O setor pede um reacerto no preço do litro do leite para R$ 1,45, sem que esse valor sofra uma alteração de acordo com a região do estado.

Segundo o presidente da Comissão dos Produtores de Leite de Rondônia, Rui Barbosa de Souza, o valor médio pago pelas indústrias de laticínios no litro do leite durante o mês de abril foi de R$ 0,86.

Esta semana, produtores de leite do distrito de Porto Velho, União Bandeirantes, e da cidade do Candeias do Jamari   já interromperam o fornecimento de leite para laticínios, entretanto está previsto que na sexta-feira (15) a paralisação deve acontecer em todos os municípios do estado de Rondônia.

Segundo os produtores de leite, o mês de maio, o litro está com a previsão de preço menor que a média,  chegando a R$ 0,65, o que representa uma desvalorização de mais de 40% no preço médio do litro do leite.

A justificativa das empresas para a diminuição do valor pago aos agricultores seria a queda no consumo diante o período de isolamento social, provocado pela pandemia de Covid-19 no Brasil. Porém, Rui Barbosa afirma que essa desvalorização acontece todos os anos durante os meses de abril, maio e junho.

“Toda essa conversa dos laticínios para justificar a diminuição de valores do leite é mais uma mentira. Todo ano, no mês de abril, acontece essa diminuição que dura três meses. Nós já chamamos essa época de “baixa do mês de abril”. Depois, em julho, o preço é normalizado com a desculpa de ajudar o produtor”, alega o Presidente da Comissão.

O presidente afirma ser inviável operacionalizar o setor leiteiro com o litro custando menos de R$ 1,45, pois o custo para manter a produção por litro de leite chega a custar R$ 1,02.

“Eu, como produtor, só posso dizer o seguinte: no valor que tá, não dá para continuar. Pagávamos R$ 65 em uma saca de sal, hoje o valor está em R$ 117. Não tem como operacionalizar com o valor abaixo de R$ 1,45. Infelizmente, como produtor, não tem como trabalhar mais, você tá pagando para botar o leite na mesa do consumidor”, afirma Rui Barbosa.

Uma outra exigência dos produtores é a regularização o pagamento mensal que, segundo o presidente da comissão, é pago abaixo do estipulado ao agricultor após 60 dias da coleta do leite.

“Os laticínios só nos pagam depois que industrializa e vende o leite. Só que, normalmente, na hora da coleta eles assumem uma determinada quantia e, quando vão pagar, o valor está abaixo do determinado. A maioria dos laticínios fazem isso” relatou.

Procurado, o Sindicato das Indústrias de Laticínios no Estado de Rondônia (Sindileite) informou que não vai se pronunciar sobre a mobilização dos produtores.

Já a Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) ainda não se manifestou sobre a interrupção no fornecimento de leite aos laticínios.

Faperon

Hélio Dias, presidente da Federação de Agricultura e Pecuária de Rondônia (Faperon), disse em uma entrevista a Rádio CBN Porto Velho que acompanha e vê com preocupação a situação do setor leiteiro.

“Realmente nós estamos bastante chateados com o posicionamento da direção dos laticínios de Rondônia, dado que os produtores tentaram de forma incansável um entendimento na questão dos preços. Que fosse bom tanto para o produtor, quanto ao laticínio”, diz.

A proposta da Faperon era que, neste mês de maio, fosse pago ao menos o preço mínimo de R$ 1,17, estipulado pelo Comissão dos Produtores de Leite de Rondônia. “Esse valor é objeto do custo de produção, para produzir um litro de leite (no caso do produtor), e também custos de vendas das indústrias.

*Informações do G1 e Rádio CBN Porto Velho.