Economia

Recessão dos anos 2010 foi pior que a da década de 1980, diz pesquisa

Uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC) concluiu que a recessão da última década foi mais profunda do que a de 1980, que é considerada uma década perdida para a economia. Uma década marcada pela crise. Em 2014, a economia do país começou a desacelerar. Cresceu só 0,5%. Em 2015 e 2016, encolheu: foram anos de recessão. Depois o país até voltou a crescer, mas pouco em torno de 1%.

Esse desempenho levou economistas a compararem a crise recente com a de outro momento difícil da nossa economia. Década de 1980. Depois do período de crescimento dos anos 70, que a ditadura militar chamava de milagre econômico, o Brasil encarou a recessão em 1981 e em 1983.

O empresário Luís Riche, que tinha um comércio de atacado, lembra bem: “Eu quebrei. Foi uma verdadeira tempestade de problemas no Brasil.” Foi tão ruim que aquele período passou a ser chamado de década perdida.

Mas o economista Antônio Everton, da Confederação Nacional do Comércio, analisou os números das duas décadas para afirmar:“A recessão dos anos 2010 foi bem maior do que a observada nos anos 80.” Enquanto ao longo da década de 1980 a economia do país cresceu cerca de 30%. Na década de 2010, o crescimento foi menos da metade.

O economista José Júlio Senna, da FGV-Ibre, observa que os motivos foram diferentes.“A recessão de 1980, do começo dos anos 80, foi fundamentalmente uma recessão importada.” Teve aumento do preço do petróleo, da dívida externa, hiperinflação. Já os problemas da última década foram internos.

“O gasto público fora de controle, vai e vens de políticas econômica, intervenção em excesso e tudo mais acaba inibindo o elemento fundamental do desempenho de qualquer economia, que é o fluxo de investimentos”, disse o economista José Júlio Senna.

Há 50 anos no mercado da construção civil, José Conde Caldas passou por todas as crises, mas diz que essa última foi pior. Teve que demitir 30% dos funcionários e, em vez de 12 prédios por ano, ergueu dois. “Quando a pessoa não tem garantia que vai permanecer no emprego, jamais vai se arriscar a comprar um imóvel, que é o bem maior que ele pode comprar”, disse José Conde Caldas, presidente da Concal.

Ficaram só as lembranças do comércio tradicional numa rua no Centro do Rio. O cenário está ainda mais difícil de reverter do que o dos anos 80. É o que dizem os economistas. A economia ainda não tem força para reabrir as portas que a recessão fechou.

A pesquisa indica que agora o país está demorando mais a reagir.

“Os aspectos principais para fazer esse tipo de comparação são o elevado contingente de desempregados e a baixíssima capacidade do setor público de fazer os investimentos necessários para a retomada do crescimento”, disse o economista Antônio Everton “A encrenca criada foi muito grande, a ponto de levar a taxa de desemprego para patamares muito elevados. E grande parte da recuperação está vindo pelo setor informal.”

É justamente de onde vem boa parte da clientela do seu Luiz, que mudou para o ramo de embalagens. E, mesmo na crise, se deu bem.“A pessoa que faz bijuteria quer embalar, a pessoa que faz brigadeiro, quem trabalha com festa.”

Mas a década que começa agora pode ser diferente.“As medidas de política econômica se apresentam no caminho correto e a gente verifica já a retomada do crescimento.” Pelo ritmo das obras, tem otimismo misturado ao cimento e ao tijolo.“O mercado está voltando com muita força. Eu pretendo lançar de sete a oito empreendimentos.”

  • Fonte: G1