Destaques Rondônia

Rondônia já contabilizou 211 focos de queimadas este ano

Focos de queimadas crescem quase 40% em Rondônia. — Foto: MP-RO/Divulgação

Dados publicados pelo Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), revela que os focos de queimadas de Rondônia cresceram 36%, se comparado no mesmo período do ano. O estado já contabilizou 211 focos ativos entre os dia 1º de janeiro a 28 de maio, contra 115 em 2019.

O município de Vilhena foi o que mais registou focos de queimadas, com 24 pontos ativos, contabilizando mais de 11% em todo o território de Rondônia.

O Inpe ainda revelou dados dos demais municípios, que são:

  • Porto Velho – 23 focos (10,9%)
  • Pimenteiras do Oeste – 21 focos (10%)
  • Alto Paraíso – 15 focos (7,1%)
  • Guajará-Mirim – 15 focos (7,1%)
  • Pimenta Bueno – 13 focos (6,2%)
  • São Miguel do Guaporé – 10 focos (4,7%)

Com estes números, Rondônia ocupa a 15ª posição entre os estados do Brasil que apresentam focos de queimadas. O campeão da lista é Mato Grosso, que registrou mais de 4,5 mil pontos de queimadas até o momento. Na sequência, vem Mato Grosso do Sul (2.155 focos) e Roraima (1.651 focos).

O estado de Rondônia perdeu equivalente a 70 mil Km² de floresta entre os anos de 1990 e 2017, conformes dados do Mapbiomas.  Entretanto a formação florestal declinou para cerca de 14 milhões de hectares em 2017, enquanto o quantitativo de pasto subiu para quase nove milhões, um crescimento de mais de 200% em 27 anos.

Dados do Inpe apontaram, em janeiro, que o número de focos de queimadas na Amazônia foi 30% maior em 2019 que em 2018. Ao todo, o bioma da Amazônia registrou 89.176 focos de queimadas em 2019, comparados a 68.345 no ano anterior.

O Inpe realiza medições desde 1986, após ter realizado um experimento de campo em conjunto com pesquisadores da Nasa. O sistema, porém, foi aperfeiçoado em 1998 após a criação de um programa no Ibama para controlar as queimadas no país. Os dados da série histórica estão disponíveis desde junho de 1998.

Combate aos Focos

No dia 7 de maio, o presidente Jair Bolsonaro autorizou o envio de tropas das Forças Armadas para combater focos de incêndio e desmatamento ilegal na chamada Amazônia Legal, que engloba além de Rondônia, Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Roraima, Tocantins e parte do Maranhão.

Operação Verde Brasil 2 ocorre de 10 de maio a 11 de junho com possibilidade de prorrogação. O objetivo é manter uma média de queimadas com redução.

A determinação se aplica à faixa de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e outras áreas federais nos estados, mas a atuação das tropas também poderá se estender a áreas estaduais se houver pedido dos governos.