Connect with us

Hi, what are you looking for?

Rondônia

Rondônia possui mais de 90% da taxa de cura de Hanseníase em 2019

Dados da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) mostram que o estado de Rondônia ultrapassou os 90% da taxa de cura da hanseníase estipulada pelo Ministério da Saúde, e ocupa o terceiro lugar na região Norte na detecção da doença, o primeiro é o estado do Mato Grosso, seguido por Tocantis.

Em 2018, Rondônia atingiu 89,2%. “Temos o nosso Plano Estadual de Saúde e o Sispacto que pactuam os indicadores em saúde. Uma das metas é alcançar a cura em 90% dos casos novos de hanseníase dentro do Estado. O diagnóstico precoce resulta na cura. Quanto mais rápido o paciente for diagnosticado, maior a chance de cura”, explica a diretora da Agevisa Ana Flora.

A diretora ressalta, ainda, a importância e a necessidade de realizar o tratamento completo. “A equipe realiza o acompanhamento do paciente e não pode deixar que ele abandone o tratamento. Não adianta o governo federal disponibilizar recursos para desenvolvermos as ações, se o paciente não conclui e abandona o tratamento, que é caro e tem um custo para isso”.

Para a coordenadora de Hanseníase, Albanete Mendonça, as ações desenvolvidas pela Agevisa com o acompanhamento e mapeamento dos casos, e a capacitações dos profissionais são fatores que ajudam a combater a doença.  “Acompanhamos os casos durante todo o ano e intensificamos as campanhas no Janeiro Roxo, que é um movimento nacional, e 7 de julho, quando acontece o Dia Estadual de Mobilização para o Controle da Hanseníase”.

Que é Hanseníase?

Historicamente conhecida como “lepra”, uma doença que também matava (ou mata) pela discriminação, principalmente gerada por sua condição de alta infectividade e mutilação, a hanseníase é uma doença crônica, transmissível, de notificação compulsória e investigação obrigatória em todo território nacional. Possui como agente etiológico o Micobacterium leprae, bacilo que tem a capacidade de infectar grande número de indivíduos, e atinge principalmente a pele e os nervos periféricos com capacidade de ocasionar lesões neurais, conferindo à doença um alto poder incapacitante, principal responsável pelo estigma e discriminação às pessoas acometidas pela doença.

  • Fonte: Secom – Governo de Rondônia

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...