Destaques Rondônia

Rondônia registra mais de 1,9 mil casos de dengue em cinco meses, um crescimento de 734%

Mosquito Aedes aegypti — Foto: Getty Images via BBC

Nos cinco primeiros meses de 2020, Rondônia registrou 1.935 casos de dengue, correspondendo a um aumento de 734% se comparado ao mesmo período do ano passado, quando foram confirmados 232. Os dados são do último boletim epidemiológico publicado pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa).

O Programa Estadual de Controle de Doenças Transmitidas pelo Aedes traçou a situação dos municípios de Rondônia levando em consideração a quantidade populacional e incidência da doença e constatou que 11 estão enquadrados em situação de surto de dengue:

  • Alto Alegre dos Parecis – 28 casos
  • Cerejeiras – 135 casos
  • Colorado do Oeste – 27 casos
  • Corumbiara – 24 casos
  • Itapuã do Oeste – 32 casos
  • Nova Brasilândia – 167 casos
  • Nova Mamoré – 154 casos
  • Parecis – 11 casos
  • Pimenteiras do Oeste – 13 casos
  • Rio Crespo – 4 casos
  • Vilhena – 737 casos

Ainda conforme o levantamento, os criadouros predominantes do mosquito foram pneus, caixas d’água e lixo, principalmente os recipientes plásticos, latas, sucatas e entulhos. Por isso a Agevisa reforça que é importante a conscientização da população em relação a limpeza de terrenos, quintais e o descarte correto do lixo.

O levantamento, realizado entre 1º de janeiro e 19 de maio, ainda aponta aumento nos casos de Zika vírus, doença também transmitida pelo Aedes aegypti. Já foram confirmados 51 casos no estado, enquanto que em 2019 foram 35.

Por outro lado caiu quase pela metade o número de casos confirmados para Chikungunya entre os meses de janeiro e maio deste ano, quando comparado a 2019. Foram registrados 34 casos em 2020 e 60 no ano passado.

Os principais sintomas da dengue são febre, dor de cabeça, dor no corpo e manchas. Sintomas como sangramento da mucosa, vômitos, dores abdominais intensas podem indicar um sinal vermelho, sugerindo a dengue hemorrágica.

Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados.

G1 Rondônia