Connect with us

Olá, tudo bem? O que você está pesquisando?

Rondônia

Secretário de Educação afronta princípios da gestão democrática nas escolas e não reconhece conquistas da luta dos trabalhadores

O secretário de Estado da Educação de Rondônia, Swamy Vivecananda Lacerda de Abreu perde mais uma importante oportunidade de contribuir com a melhoria da qualidade do ensino ao afrontar publicamente a gestão democrática nas escolas e ao tentar minimizar as conquistas alcançadas pelos profissionais da educação através da luta, que às vezes culmina com greve.

Para a Diretoria do Sintero, as declarações do secretário, além de dispensáveis, apenas contribuem para a desmoralização da atual gestão da Seduc, que já conta com diversas trapalhadas e contradições, como os episódios da censura a livros clássicos da literatura e da tabela salarial dos professores, além da falta de transparência na gestão.

Ao proferir declarações inoportunas e inadequadas, o secretário de Estado da Educação ignora, por exemplo, que a gestão democrática possui entre seus princípios a escolha de diretores e vice-diretores de escolas pelos profissionais da educação e pela comunidade escolar, observando critérios como formação, conhecimento e tempo de atuação. Associar a gestão democrática a baixos índices no Ideb ou de aprovação no Enem é tentar ocultar a própria incompetência para gerir a pasta da educação estadual.

O secretário também perdeu oportunidade de falar a verdade quando diz que o Sintero liderou uma greve de 45 dias em 2018 sem resultados para o ensino público e sem benefícios para os trabalhadores. Swamy Vivecananda não disse, no entanto, que a garantia do piso do magistério na carreira dos professores e um valor como base para o salário dos Técnicos Educacionais foram conquistas dos profissionais da educação como resultado da greve. Também se esqueceu de mencionar que essas conquistas, ainda que não representem a valorização merecida pelos trabalhadores, têm reflexo nas demais verbas salariais, como as gratificações.

Durante a pandemia, situação que ainda permanece, os professores fizeram a diferença sem nenhum apoio ou incentivo da Seduc, adaptando a sua atuação tendo que planejar, produzir e oferecer aulas pela internet e atender à comunidade escolar à distância.

O secretário se esforça, sem sucesso, para apresentar inexistentes avanços na educação, mas perdeu a oportunidade de construir uma educação inclusiva no Estado de Rondônia, jogando toda a responsabilidade para os professores.

O ano de 2020 termina sem uma resposta da Seduc aos expedientes do Sintero acerca da destinação das sobras do Fundeb, que em outros Estados e em muitos municípios são revertidas para a melhoria salarial dos profissionais da educação no final do ano, já que as verbas expiram e não podem ser remanejadas para o ano seguinte. O secretário Swamy se nega, inclusive, a divulgar o montante do Fundeb em Rondônia e os valores gastos, bem como sua destinação.

A luta do Sintero na defesa dos trabalhadores em educação é histórica e merece respeito. No entendimento da Diretoria do Sintero, o gestor que desconhece essa luta e as conquistas não merece ocupar o cargo de secretário de Estado da Educação.

A presidente do Sintero, Lionilda Simão, ao demonstrar indignação com as declarações do secretário, disse que a luta dos trabalhadores não vai parar. “Reafirmamos e mantemos o compromisso firmado com a categoria de lutar contra a desvalorização e o menosprezo à educação implantada pela atual gestão da Seduc. Não são declarações desprovidas de conhecimento que vão nos desanimar”, disse Lionilda Simão.

SINTERO

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Destaques

Em meio à pandemia causada pelo coronavírus, com Rondônia registrando 1.460 casos da doença e 50 mortes, o governo de Marcos Rocha, através da...