Capital Destaques

Secretario questiona eficácia do Túnel de Desinfecção na Central de Polícia e ameaça sob punição Penal, Civil e Administrativa caso ainda seja utilizado

Um documento do dia 09 de maio, determina a NÃO utilização do túnel de desinfecção, instalado na última semana no prédio da Central de Polícia, em Porto Velho.

Segundo o documento, o túnel deve ser retirado sob pena dos responsáveis pela instalação serem punidos civil, penal e administrativamente. É o que deixa claro ofício circular assinado pelo secretário de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania, José Hélio Cysneiros Pachá, encaminhado ao comandante da PM, Mauro Ronaldo Flôres Corrêa, ao diretor-geral da Polícia Civil, Samir Fouad Abboud, ao comandante do Corpo de Bombeiros, Demargli da Costa Farias e ao Diretor-Geral da Polícia Técnico-Científica, Domingos Sávio Oliveira da Silva.

A alegação do secretário Pachá é baseada na Nota Técnica nº 38/2020 da ANVISA, que há recomendação “de não utilização dos saneantes sobre seres humanos, uma vez que têm potencial para causar lesões dérmicas, respiratórias, oculares e alérgicas, podendo o responsável da ação responder penal, civil e administrativamente, bem como ressaltamos a informação que não existe, atualmente, produto aprovado pela Anvisa para “desinfecção de pessoas”.

Veja a nota completa

Segundo a Nota Técnica explicada pela Anvisa “avalia sua aplicação em objetos e superfícies, mas não sua aplicação direta em pessoas. Dessa forma, não foram avaliadas a segurança e eficácia desses produtos nessa última situação. Portanto, não existe, atualmente, produto aprovado pela Anvisa para “desinfecção de pessoas”.

TÚNEL DE DESINFECÇÃO

O túnel foi construído por uma empresa rondoniense, e abaixo, é explicado como funciona para quem precisa entrar na Central de Polícia.