Capital Destaques

Secretário se posiciona acerca do hospital com 52 leitos sem utilização

Durante a coletiva de sexta-feira (26), o secretário Estadual de Saúde (Sesau), Fernando Máximo, explicou porque o Centro de Reabilitação de Rondônia (Cero) ainda não foi inaugurado. Segundo  o secretário, a estrutura está sendo adaptada para abrigar leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O motivo das explicações foi a publicação do Deputado Federal Léo Moraes, que em uma Live nas redes sociais, mostrou o Cero praticamente pronto com 52 leitos se utilização, enquanto o Estado investiu capital de R$ 12 milhões na compra do Hospital Regina Pacis e passou mais de dois meses para entregar obra com somente 12 leitos. A nova estrutura do Cero foi realizada entre Governo do Estado de Rondônia e empresários.

Conforme o Fernando Máximo, o grupo de empresários investiu na pintura, ar-condicionados e reparos nas redes elétrica e hidráulica. A ideia inicialmente era montar leitos clínicos no espaço, porém, a demanda de UTI aumentou nos últimos meses e surgiu a ideia de montar os leitos de UTI no local.

“Quando estava pronto pra montar leitos clínicos, a equipe de empresários se disponibilizou a montar rede de oxigênio necessária para funcionar leitos de UTI”, justifica o secretário.

O chefe da Sesau disse que a estrutura está quase pronta e que os próximos passos antes do funcionamento são a contratação de um gerador, médicos e a chegada de bombas infusoras e monitores multiparamétricos, itens usados na montagem de leitos de UTI.

“Nos próximos dias esse hospital estará pronto para ter leitos de UTI, pronto do ponto de vista estrutural. Hoje nossa maior necessidade é leito de UTI”.

O secretário ainda disse que o Governo possui dificuldade em contratar profissionais de saúde pela falta desses profissionais no mercado.

“Uma dificuldade que a gente está tendo muito grande é com profissionais médicos. Eu até faço um apelo aos colegas médicos que não têm contrato com o Estado que venha fazer um contrato temporário. Quem já tem um contrato pode ter outro. Quem pode fazer um plantão a mais pra que a gente possa abrir mais leitos de UTI”, declarou.

Sobre os remédios no Cero, Máximo disse que os medicamentos armazenados não estão em falta na rede estadual e que seguem no prédio para quando começarem os atendimentos.

Máximo ainda falou que o Governo já possui 136 leitos de   e 340 leitos clínicos exclusivos para Covid-19.