Connect with us

Hi, what are you looking for?

politica

Sem aval de Regina Duarte, governo demite número dois da Cultura

O governo do presidente Jair Bolsonaro exonerou Pedro José Vilar Godoy Horta do cargo de Secretário Especial Adjunto da Secretaria Especial da Cultura, comandada pela atriz Regina Duarte. O decreto foi assinado pelo ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, e publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de sexta-feira (15).

Veja o decreto aqui

Godoy foi uma indicação pessoal de Regina, logo que ela assumiu a pasta, em março deste ano, após um longo “noivado”, como definiu o presidente. Inicialmente, ele atuava como chefe de gabinete e depois assumiu o posto de secretário-adjunto. Ainda não foi indicado um substituto, nem por Regina nem por outros integrantes do governo.

A secretária de Cultura tem encontrado dificuldade para nomear seus escolhidos dentro do órgão. No início de maio, o maestro Dante Mantovani, que havia sido demitido por ela, voltou à presidência da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

A readmissão foi encarada negativamente pela secretária. “Que loucura isso, que loucura. Eu acho que ele está me dispensando”, disse Regina se referindo a Bolsonaro. A frase foi captada durante uma ligação telefônica feita pela reportagem da revista Crusóe à assessoria da secretária. De acordo com a reportagem, assinada por Igor Gadelha, a secretária foi “surpreendida” pela decisão. Em seguida, o governo recuou e tornou o ato sem efeito.

A exoneração do número dois da secretaria é mais um revés para Regina Duarte, atacada por integrantes do governo ligados ao escritor Olavo de Carvalho, que desde o início bombardeou a indicação da atriz para o cargo. A suspeita desse grupo é de que ela seria suscetível ao “setor de esquerda”. Sua atuação também sofreu reparos públicos do presidente nas últimas semanas, que reclamou do fato de a secretária despachar de São Paulo desde o início da pandemia.

A secretária se pronunciou neste sábado (16) no Instagram, rede social que mais utiliza, afirmando estar sendo vítima de uma “infodemia”. Ela garantiu que irá mostrar serviço: “Em breve vocês poderão ver os resultados da Cultura que quero pro meu país acontecendo, sob minha gestão”.

 

Na semana passada, a secretária se envolveu em mais uma polêmica ao conceder entrevista para a CNN Brasil. Regina minimizou as mortes da ditadura militar, afirmando que “tortura sempre existiu” e cantou um trecho de música símbolo do regime. Ela também minimizou as mortes pelo novo coronavírus.

Em resposta, artistas de todo país se uniram para criticar as falas da atriz e afirmaram que ela não os representa.“Fazemos parte da maioria que não aceita os ataques reiterados à arte, à ciência e à imprensa, e que não admite a destruição do setor cultural ou qualquer ameaça à liberdade de expressão. Como artistas, intelectuais e produtores culturais, formamos a maioria que repudia as palavras e as atitudes de Regina Duarte como Secretária de Cultura. Ela não nos representa”, escreveram os mais de 500 artistas em carta aberta.

Congresso em foco

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

Em 09 de julho de 2020 o senador Randolfe fez uma live com seus heróis médicos, que salvaram muitas vidas no Amapá usando um...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...

Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulga balanço...