Mundo

Sem provas, Trump diz que votos ilegais mudaram contagem na Pensilvânia

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, denunciou sem qualquer evidência neste sábado que dezenas de milhares de votos recebidos ilegalmente após o encerramento das urnas na Pensilvânia, um dos estados mais cobiçados na corrida rumo à Casa Branca, mudaram os resultados em favor de seu adversário, o democrata Joe Biden.

“Dezenas de milhares de votos foram recebidos ilegalmente após as 20h de terça-feira, dia das eleições, mudando total e facilmente os resultados na Pensilvânia e em outros estados”, escreveu Trump em sua conta no Twitter, o que levou a rede social a alertar que parte ou todo o conteúdo das postagens poderia ser falso.

Segundo o candidato do Partido Republicano, de maneira ilegal, a vantagem que ele tinha em alguns estados, a qual classificou como “enorme”, foi dissolvida sem que ninguém pudesse observar o que de fato ocorreu.

“Coisas ruins aconteceram durante aquelas horas em que a transparência jurídica não foi permitida de forma violenta e grosseira. Os tratores bloquearam as portas e as janelas foram cobertas com papelão grosso para que os observadores não pudessem ver dentro das salas de contagem. Muitas coisas aconteceram lá dentro, grandes mudanças”, bradou o candidato à reeleição.

O fio de mensagens do Trump, com quatro no total, foi posteriormente marcado pelo Twitter, que observou que “algum ou todo o conteúdo compartilhado neste tweet está em conflito e pode ser enganoso sobre uma eleição ou outro processo cívico”.

A contagem dos votos na Pensilvânia, que premia 20 delegados no Colégio Eleitoral, tornou-se uma questão crucial em meio a uma eleição americana bastante acirrada. Biden assumiu a liderança nesta sexta-feira, e os republicanos apresentaram uma petição urgente à Suprema Corte para anular as cédulas de correio recebidas após o dia das eleições, em uma tentativa de anulá-las.

O tribunal aceitou a petição e ordenou ao estado que pusesse de lado os votos que chegaram após a última terça, algo já previsto nos protocolos locais.

Um dia antes, a campanha de Trump havia pedido a um tribunal federal para parar a contagem de todos os votos na Pensilvânia, uma ação tomada após outra ação judicial ter sido arquivada, que pedia para que observadores republicanos monitorassem a contagem mais de perto.

Um tribunal estadual da Pensilvânia deu causa a favor dos republicanos, que, no entanto, reclamaram que o acesso não estava sendo garantido.

Por EFE