Connect with us

Hi, what are you looking for?

politica

Senador comemora assinatura de decreto que amplia a transposição dos servidores dos ex-territórios

O presidente Jair Bolsonaro assinou, nessa quarta-feira (25), o Decreto 10.552 sobre a transposição dos servidores dos ex-territórios, incluindo uma nova categoria para enquadramento.

O Decreto regulamenta o artigo 29 da Lei 13.681/2018, que trata da transposição dos servidores da carreira de Planejamento e Orçamento e da carreira de Finanças e Controle. Com isso, todos aqueles que se encontravam no desempenho de atribuições de planejamento e orçamento ou de controle interno nos órgãos e nas entidades da administração pública direta, autárquica e fundacional dos ex-territórios federais serão transferidos para os quadros da União, contanto que comprovem a escolaridade exigida e vínculo de pelo menos 90 dias ininterruptos.

O vice-líder do Governo no Congresso, senador Marcos Rogério, comemorou a assinatura do Decreto. “Parabéns ao presidente Jair Bolsonaro pela edição do decreto. Por reconhecer o papel desses servidores que desempenharam um papel tão importante na formação desses estados. Aos poucos, a justiça está sendo feita”, ressaltou o senador.

O parlamentar rondoniense vem trabalhando pela transposição dos servidores dos ex-territórios desde seu mandato como Deputado Federal.  “Além de encontros com o Ministério da Economia, venho me reunindo com associações que representam os servidores, para intermediar um diálogo e conseguirmos enquadrar todos que têm direito. E com este Decreto conseguimos avançar em mais uma etapa”, afirmou Marcos Rogério.

Falta, agora, incluir no enquadramento os servidores do estado de Rondônia que tiveram vínculo com a União até 1991. Nesse sentido, foi apresentado um parecer favorável ao tema, na PEC 07/2018, relatada pelo rondoniense Marcos Rogério. A proposta prevê critérios que unificam as questões de transposição dos servidores públicos dos ex-territórios de Rondônia, Roraima e Amapá, possibilitando que os servidores integrem quadro em extinção da administração pública federal, tendo suas remunerações e proventos pagos, de forma permanente, pela União. “Quando recebi a relatoria do projeto havia discordâncias em alguns pontos da proposta, que segundo especialistas seriam inconstitucionais. Trabalhei para resolver esse impasse e apresentar um texto que possa encontrar menos barreiras para ser aprovado aqui na Casa e posteriormente na Câmara”, explicou Marcos Rogério.

Assessoria

Faça um comentário

Você pode gostar

Capital

Fundado oficialmente apenas em 1914, o bairro Triângulo é o mais antigo de Porto Velho, abrigava os trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...

Capital

Profissionais de saúde que estão em atividade nas unidades médico-hospitalares públicas e privadas que atendem pacientes diagnosticados com a Covid-19 continuam sendo imunizados pela...

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...