Connect with us

Hi, what are you looking for?

politica

Senador de Rondônia diverge de projeto que libera a quebra de patentes da vacina contra covid-19

O parlamentar afirmou que seu voto foi baseado em informações de técnicos experientes do Butantan, Fiocruz, Anvisa e outros

Durante o debate que aprovou, na quinta-feira (29), no Senado, a proposta que permite ao governo federal decretar a licença compulsória temporária de patentes de vacinas, testes de diagnóstico e medicamentos para o enfrentamento da covid-19, o senador Confúcio Moura (MDB-RO) disse não acreditar que a quebra de patentes aumente as vacinas para o Brasil.

Justificando voto contrário à matéria, o senador, que é presidente da Comissão Temporária da Covid-19, fez uma explicação dizendo que as audiências realizadas pelo colegiado têm o objetivo maior de levar aos leigos, como ele, informações balizadas de técnicos experientes, e citou os presidentes da Fiocruz, professora dra. Nísia Trindade; do   Butantan, Tadeu Covas; da Anvisa, Antônio Barra Torres, entre outros.

O parlamentar falou que cada convidado explicou de uma forma, mas o Tadeu Covas foi peremptório ao dar a resposta sobre a quebra de patentes. Ele falou: “Não. Pode prejudicar e muito o andamento das nossas relações com os países originários e produtores”. E assim foi cada um explicando sobre esse licenciamento compulsório de vacinas e as consequências que poderá trazer. Todos falaram que não seria conveniente a quebra de patentes neste momento para o Brasil, primeiro porque a vacina não é só o produto IFA que chega aqui, ela também tem os segredos da produção”, explicou o senador.

Confúcio Moura ainda fez questionamentos. “Por que não se abriu a Sputnik para a Anvisa entrar e olhar buraco por buraco do seu laboratório e da indústria e assim outros tantos? Não permitem porque há segredos industriais, pesquisas finas, que não se transmitem de um para o outro. Eles podem transmitir a vacina pronta, o IFA pronto, mas não os segredos deles”, enfatizou.

O senador explicou que ouvindo tanto os pesquisadores não poderia divergir deles, e foi adiante. “Nós não acreditamos de jeito nenhum que a quebra de patente vai aumentar as vacinas para o Brasil, que vão chegar aqui, de repente, no mês de julho, 600 milhões de doses de vacinas para o povo brasileiro; que, de repente, agora no mês de julho – porque vão chegar poucas doses –, vai chegar aí uma avalanche de vacinas novas; não chegará.”, lamentou.

Assessoria de Comunicação

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulga balanço...

Cultura

Oi, aqui é o Álisson, prazer, quem me conhece pessoalmente sabe que sou bocudo  –  em várias variáveis, inclusive. Começo pelo meu fenótipo: boca...

Contraponto

[Tendo em vista (i) o impacto dos acontecimentos recentes na França e (ii) a profundidade da análise feita por Theodore Dalrymple, peço licença a...