Rondônia

SENAI-RO firma parceria para consertar respiradores em Rondônia

Esforços não estão sendo medidos para efetuar a manutenção de ventiladores pulmonares em Porto Velho. Como esse equipamento é fundamental ao atendimento de pacientes internados em UTIs dos hospitais, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), em parceria com a Energisa e Termonorte se unem para promover reparos nestes aparelhos. O Centro Tecnológico de Mecatrônica (CETEM) já recebeu os quatro primeiros respiradores para manutenção.

O presidente da Federação das Indústrias de Rondônia (FIERO), Marcelo Thomé afirma que a manutenção de equipamentos é um dos compromissos da indústria no enfrentamento da pandemia. “Em todo o Brasil, o SENAI mantém uma rede de manutenção, que somada a empresas multinacionais se engajaram na cadeia voluntária +Manutenção para garantir o funcionamento dos respiradores”, ressalta.

O coordenador de Soluções em Tecnologia e Inovação STI-SENAI Rondônia, José Rafael Nascimento Lopes informa que, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), existem mais de 200 equipamentos na rede pública e os primeiros respiradores danificados já foram enviados para o Centro Tecnológico de Mecatrônica (CETEM). Conforme as informações dos órgãos de saúde, cada respirador em atividade tem a capacidade de atender e salvar 10 vidas.

De acordo com a coordenação de STI, reparos de maior complexidade, que por ventura não sejam solucionados no CETEM, serão enviados para o Centro Integrado de Manutenção e Tecnologia (CIMATEC) do SENAI da Bahia, ou para outra unidade do SENAI no Brasil apta a efetuar esta manutenção e que possa atender a demanda. A logística para envio e retorno destes equipamentos acontece graças ao convênio efetuado com o Governo Federal, através da Força Aérea Brasileira (FAB). A equipe de transporte do Magazine Luiza também se colocou à disposição para realizar o transporte dos equipamentos de Rondônia para uma das unidades habilitadas da rede SENAI no Brasil. Dentro do território de Rondônia, o transporte ficará sob a responsabilidade da Energisa.

Para o diretor-presidente da Energisa Rondônia, André Theobald, “o trabalho em parceria é uma das premissas do movimento Energia do Bem, que a Energisa criou para apoiar iniciativas de combate aos efeitos da pandemia da Covid-19. É natural que estejamos unidos com a FIERO e o SENAI, instituições das quais já atuamos em conjunto em outras frentes, como o programa Geração Energia, que visa a capacitação de jovens para o mercado de trabalho, e a formação de novos eletricistas”, comenta.

Com relação ao tempo de manutenção dos respiradores que necessitarão ser deslocados, o coordenador de STI informa, que essa logística demorará de duas a quatro semanas até o seu retorno ao Estado. “Precisamos observar os protocolos de higiene. Uma higienização é realizada antes do equipamento sair do hospital. Quando chega até nós, faremos outra limpeza, embalaremos e enviaremos para a unidade designada, e o mesmo procedimento de higienização antes do seu retorno”, explica José Rafael.

A Rede SENAI* está presente em todo o País, prestando serviços de educação, na formação de profissionais para atuar na indústria e na área de inovação e tecnologia, trabalhando em pesquisa avançada, garantindo e desenvolvimento de novos produtos e soluções para as empresas. Nesses últimos meses, o SENAI já investiu R$ 67,4 milhões em ações voltadas ao enfrentamento do novo coronavírus, que vai desde ao conserto de respiradores mecânicos à produção de insumos ao sistema de saúde e a seus profissionais.

*A rede SENAI é composta por 587 unidades fixas, 457 unidades móveis – sendo 02 barcos-escola e 331 laboratórios de serviço

Assessoria Senai/Ro