politica

Servidores das UBS querem o direito de receberem insalubridade, por atuarem na linha de frente do contágio

Deputado Anderson Pereira vai buscar junto ao prefeito da capital, Hildon Chaves, solução para o impasse

Servidores que atuam nas unidades básicas de saúde do município de Porto Velho (UBS), estão insatisfeitos com o desprezo e não reconhecimento por parte da Prefeitura de Porto Velho, que não incluiu em seus vencimentos o direito de ganho de insalubridade de 40%, que foi concedido a demais servidores, que estão atuando na linha de frente do contágio da COVID19 – novo Coronavírus.

De acordo com os servidores, o adicional será pago apenas para os que atuam na Policlínica Ana Adelaide, Unidade Pronto Atendimento (UPA) e Serviço Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). A injusta situação causou grande desconforto entre os trabalhadores, que se sentem excluídos, tem seus trabalhos desvalorizados pelo chefe do executivo, que parece escolher a dedo, ou por indicação a quem deve conceder o adicional.

Uma comissão procurou o deputado estadual Anderson Pereira (PROS), e solicitou que o parlamentar intermediasse junto ao prefeito uma busca por solução. Assim como fez por outras categorias, o deputado Anderson garantiu que vai entrar em contato com o chefe do executivo e por meio de diálogo, tentar uma solução para que os trabalhadores não sejam injustiçados.

Desde o início da pandemia, os trabalhadores atuam intensamente nas unidades, com grandes riscos de contraírem o vírus, colocando em risco a própria vida e de seus familiares. Há registros de que servidores contraíram o Coronavírus no local de trabalho ficando afastado das funções até vencer a doença.

Os trabalhadores exigem que o prefeito Hildon Chaves (PSDB), seja justo e sensível a situação e contemple a todos, pois o valor é o mínimo de reconhecimento do risco que convivem, na luta pela vida de outrem.