Brasil Saúde

Sete motivos indicam que o nº de mortos no país é maior do que se divulga; entenda

A epidemia do coronavírus marcou um novo recorde de mortos no Brasil num período de 24 horas — foram 60 vítimas, atingindo um total de 359, de acordo com dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde ontem. Mais preocupante, no entanto, é o acúmulo de fatos e informações que indicam que esse número não reflete a totalidade de vítimas da doença covid-19.

Veja os sete motivos pelos quais, provavelmente, há mais óbitos por coronavírus do que vemos nos balanços oficiais do Ministério da Saúde.

O registro civil, documento factual, registra mais mortes suspeitas ou confirmadas para a doença. Há um número de óbitos em investigação, por atrasos em testes, que é maior do que a lista oficial. Há suspeitas que hospitais privados não estão notificando todos os casos. O próprio Ministério da Saúde admite a falta de testes.

Esses e outros cenários são mostrados abaixo:

Internações por insuficiência respiratória grave disparam

O Brasil teve uma explosão de hospitalizações por insuficiência respiratória grave (SRAG), segundo dados do Ministério da Saúde. A 12ª semana epidemiológica — que vai de 15 a 21 de março — teve 8.093 hospitalizações por SRAG, contra 1.061 no mesmo período do ano passado. Dessas, apenas 780 tiveram resultado positivo para covid-19.

Na 13ª semana, que foi de 23 a 29 de março, foram 7.216 hospitalizações, contra 1.123 em 2019. Ao todo, desde o início do ano, foram 25.675 hospitalizações por SRAG. Dessas, apenas 1.769 foram confirmadas para Covid-19, uma taxa de 7%.

Embora seja comum o aumento de casos de síndrome respiratória grave no período do outono, devido ao tempo seco, este ano o pico foi mais cedo. “Na época do outono temos muito mais poeira no ar, então os sintomáticos respiratórios, pessoas com asma, bronquite, rinite ficam com a doença mais exacerbada e isso já aumenta o atendimento por causas respiratórias. Mas realmente está um pouco acima do padrão esperado”, afirma o Infectologista especializado pelo Instituto Emílio Ribas, Natanael Adiwardana.

Casos suspeitos sem autópsia

Uma resolução publicada no dia 20 de março determinou que não pode ser feita autópsia para confirmação da morte em casos suspeitos de coronavírus devido ao risco de contaminação por meio dos corpos. Segundo o governo, as determinações são da própria OMS.

As mortes por SRAG sem diagnóstico exato e os casos suspeitos que não foram testados em vida devem ter material nasal e orofaríngeo coletado em até 24 horas e na autópsia deve constar a espera pelo exame. Os demais casos devem ter a declaração de óbito preenchida pelo médico que assistiu o paciente ou que constatou o óbito. Se as informações do prontuário não forem suficientes para cravar a causa, é feito um questionário verbal com a família.

Nesses casos em que a autópsia é feita por questionário verbal, mesmo que o resultado se aproxime de morte por coronavírus, o óbito não entrará na conta oficial, por se tratar de um caso não testado, de acordo com Adiwardana. “Senão você começa a ter um dado muito falseado e aí não pode confiar no seu dado depois.”

Não notificação por parte de hospitais privados

O Ministério Público de São Paulo está investigando um possível caso de não notificação compulsória de cinco óbitos decorrentes da covid-19 em dois hospitais de São Paulo.

“De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, a inspeção epidemiológica no referido hospital constatou a existência de casos suspeitos de coronavírus não notificados na unidade, fato que teria impedido a vigilância sanitária de adotar as medidas necessárias”, relata a promotora de Justiça Criminal Celeste Leite dos Santos.

Já sobre o segundo hospital, a promotora diz que ele “comunicou na data de 20/03/2020 o óbito de um paciente de 70 anos vítima do novo coronavírus, sendo esse um caso não confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde”. Segundo ela, “trata-se de omissão de notificação de doença extremamente grave que vem crescendo exponencialmente em todos os continentes do mundo”.

Registro Civil tem mais mortes confirmadas ou suspeitas de covid

O site registro civil tinha 368 mortes assinaladas como suspeitas ou confirmadas por covid, segundo dados da transparência. Esse número é o de registros de mortes até 1º de abril, isto é, quarta-feira, pela Associação dos Registradores de Pessoas Naturais, que reúne cartórios pelo Brasil. Em comparação com os dados do Ministério da Saúde para aquela data, são 127 óbitos a mais do que as divulgadas.

E esse número não incluiria todas as mortes confirmadas por covid também. Em Minas Gerais, apenas um caso foi registrado como morte por suspeita ou confirmação pela doença no registro, e a estatística nacional mostra quatro casos. Rio de Janeiro e São Paulo têm registros superiores de morte por suspeita de coronavírus em relação aos dados do governo federal.

Uma portaria do Ministério da Saúde e do Conselho Nacional de Justiça, de 31 de março, autorizou enterros e cremação sem o atestado de óbito por conta da epidemia do covid-19. Pela determinação, quando houver morte por doença respiratória suspeita para covid-19 não confirmada, deve ser descrito no registro como provável vítima ou suspeita de ser infectada pela doença.

Mortes em investigação por testes superam óbitos oficiais

Há um grupo de mortos testado para coronavírus e os resultados ainda não saíram pela demora de laboratórios. Não é possível saber o número exato para todo o país porque o Ministério da Saúde não divulga mais casos suspeitos, o que fazia até 21 de março. Nem todas as secretarias têm esse dado público.

No Sudeste, esse número é de 305 exames de mortos à espera de resultados, considerando os Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Só nesses Estados o total de mortes é de 233, isto é, inferior ao de casos suspeitos. A secretaria de saúde fluminense, por exemplo, mantém 49 casos em investigação há três dias, o que mostra o atraso na entrega dos exames.

Faltam testes

O Ministério da Saúde tinha distribuído para os estados até 1º de abril apenas 54 mil testes para coronavírus do tipo PCR, os mais confiáveis e feitos pelo sangue. É um número pequeno considerando que o Ministério da Saúde espera comprar e utilizar 14,9 milhões de exames para combater a epidemia. A pasta começou a mandar 500 mil exames rápidos para suprir a carência, embora essas verificações não sejam definitivas para determinar a infeção.

Em suas entrevistas coletivas, a equipe do ministério tem admitido que haverá um crescimento do número nas próximas semanas quando aumentar o volume de testes feitos na população.

“Há uma testagem represada, e esses números vão crescer muito até o fim de semana que vem. Está muito menor que os números que estão circulando na sociedade”, afirmou o ministro Luiz Henrique Mandetta, na quarta-feira.

Um problema é a falta de insumos para a produção dos testes já que há uma corrida mundial de países por essas substâncias, visto que são produzidos em poucos países e há excesso de demanda por conta da epidemia.

Parentes e funerárias têm relatado problemas na detecção de covid-19

Relatos de parentes, cemitérios e funerárias do Rio de Janeiro e de São Paulo, indicam que há mortos em que não são feitos testes para covid-19 nem é registrada a suspeita da doença. Teoricamente, todos os casos de óbitos com insuficiência respiratória deveriam passar por investigações, mas não é o que tem acontecido.

Os casos de mortes começaram a ocorrer na semana do início da quarentena, em 24 de março, e tem se acumulado desde então. A cidade de São Paulo contratou coveiros extras nos cemitérios públicos, e há abertura de mais covas do que o costume nos locais.

Subnotificação afeta decisões sobre duração do isolamento social

Uma das consequências da subnotificação de casos e mortes do novo coronavírus é levar menos certeza às decisões sobre quando implementar, e quando relaxar, as medidas de isolamento social.

A restrição à circulação de pessoas tem sido amplamente adotada pelos governadores como forma de desacelerar a curva de propagação do vírus. Aulas foram suspensas, parte do comércio foi fechado e as pessoas estão sendo orientadas a permanecer em casa o máximo possível.

A lógica é a de que, em nenhuma parte do mundo, o sistema de saúde conseguiria absorver uma explosão súbita no número de casos e, por isso, o mais importante agora é frear a transmissão do vírus.

Mas em que momento essas medidas podem ser suspensas ou relaxadas? Para responder essa pergunta, as autoridades em saúde e os pesquisadores trabalham com a projeção de que apenas quando 50% a 60% da população possuir anticorpos contra o coronavírus é que haverá uma diminuição significativa do número de novos casos, diminuindo assim a pressão sobre o sistema de saúde.

“Por isso os testes são importantes. Imagine uma cidade em quarentena, se você sabe que 60% da população está imune, você já sabe que não vai explodir mais [o número de casos]”, afirma o epidemiologista Guilherme Werneck, vice-presidente da Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva) e professor do IMS/Uerj (Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e do Iesc/UFRJ (Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro).

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reconheceu que a falta de precisão nos dados sobre casos do vírus prejudica a definição das ações do poder público, mas afirmou que seria possível obter estimativas mais fiéis à realidade por meio de modelos matemáticos que usam o número de óbitos para projetar o total de casos.

“Prejudica. Porém, como a gente tem modelos matemáticos que em base desse daqui a gente faz as nossas projeções, a gente consegue compensar isso com modelos matemáticos”, disse o ministro.

“Então, se a gente sabe que a letalidade é tanto e a gente sabe qual o número de óbitos, a gente consegue fazer a conta de trás para frente. Tem várias maneiras de fazer. A gente está conseguindo antever o movimento dela [da curva de transmissão do vírus]”, afirmou Mandetta.