Economia

Taxa de desemprego em Rondônia se mantém estável no primeiro trimestre

Divulgação

Dos 320 mil empregados no setor privado, 98 mil não têm carteira assinada, ou seja, 30% são informais

No primeiro trimestre deste ano, Rondônia apresentou a quinta melhor taxa de desocupação do país: 8,4%. O número é menor quando comparado com o mesmo período de 2019, quando apresentou 8,9%. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta sexta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Pesquisa mostra ainda que, dos 809 mil ocupados em Rondônia, 496 mil são empregados (setor privado, serviços domésticos e setor público); 30 mil são empregadores e 244 mil trabalhadores por conta própria. Foi possível observar que houve um aumento de empregadores com CNPJ: no último trimestre de 2019, eram 16 mil, passando para 20 mil no primeiro trimestre de 2020.

Por grupamento de atividade do trabalho principal dos trabalhadores, a agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura é o setor que mais emprega no estado: 164 mil, seguido de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (152 mil) e comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (150 mil). Porém, o grupamento agropecuário seguiu a tendência dos últimos trimestres e apresentou redução 10,1% quando comparado com o primeiro trimestre de 2019.

Comparando o primeiro trimestre de 2020 com o último trimestre de 2019, os grupamentos de serviços domésticos e de transporte, armazenagem e correios foram os únicos que apresentaram crescimento. Serviços domésticos, que empregavam 38 mil pessoas, passaram a empregar 49 mil. Já transporte, armazenagem e correios foi de 34 mil empregados para 39 mil.

O analista do IBGE Jorge Elarrat conta que a informalidade ainda é alta no estado. Dos 320 mil empregados no setor privado, 98 mil não têm carteira assinada, ou seja, 30% são informais; dos 49 mil empregados domésticos, 71% não tem registro em Carteira de Trabalho (35 mil); e dos 244 mil trabalhadores por conta própria, 209 mil não tem CNPJ, representando 86% do setor.

Coleta de informações 

Devido à pandemia por Covid-19, a coleta de informações para as pesquisas realizadas pelo IBGE está ocorrendo por telefone ou e-mail. Se o informante tiver dúvidas sobre a identidade do pesquisador, pode checar no site do Instituto, por meio do link: https://respondendo.ibge.gov.br/entrevistador.html, ou pelo telefone da Unidade Estadual em Rondônia: 3533-9801.

O chefe da Unidade Estadual, Luiz Cleyton Holanda Lobato, ressalta que não há nenhum pesquisador em campo. “Desde o dia 17 de março, foram suspensas todas as coletas presenciais. Adotamos esta medida para garantir a saúde dos servidores e dos informantes”.

IBGE/RO