Mundo

Trump diz que não vai comparecer à posse de Biden

U.S. President Donald Trump pauses as he talks to journalists members of the travel pool on board the Air Force One during his trip to Palm Beach, Florida while flying over South Carolina, U.S., February 3, 2017. REUTERS/Carlos Barria

Há conversas na Casa Branca sobre o atual presidente deixar Washington na véspera da posse

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou em sua conta do Twitter, que ainda funciona, que não irá comparecer à cerimônia de posse do democrata Joe Biden, no dia 20 de janeiro. A declaração se deu horas após prometer uma transição pacífica de poder.

“A todos aqueles que têm perguntado, eu não irei à posse em 20 de janeiro”, escreveu Trump no Twitter. Segundo uma fonte especializada no assunto, há conversas na Casa Branca para que o atual presidente em exercício deixe a sede do governo americano na véspera de posse, no dia 19.

Mesmo com a ausência de Trump, o seu vice, Mike Pence deve participar da cerimônia e transmitir seu cargo para Kamala Harris, vice de Biden.

Tensão nos EUA

Donald Trump insiste que a eleição presidencial de 2020 nos Estados Unidos foi fraudada e que a vitória de Joe Biden é ilegítima. Contudo, os auditores e Justiça locais não encontraram indícios de fraudes e prosseguiram com a confirmação do resultado eleitoral.

A situação atingiu o ápice nesta quarta-feira, quando o Congresso se reuniu para contar as cédulas do Colégio Eleitoral e certificar a vitória de Joe Biden.

Contudo, após Trump insuflar seus apoiadores em um comício, um grupo de extremistas invadiu a sede do Congresso americano, e os parlamentares precisaram ficar protegidos em áreas seguras ou ser evacuados do edifício. Houve tumulto, e cinco pessoas morreram, incluindo um policial.

Horas mais tarde, após intervenção da Guarda Nacional e de um toque de recolher imposto pela prefeita da capital Washington, a sessão foi retomada e Biden, enfim, recebeu a certificação como presidente eleito dos EUA.

Jornal Opção[Esta matéria conta com informações da revista Exame e Reuters]