Capital

Vereador Aleks Palitot apoia projeto de Revitalização da histórica vila da Comunidade Paulo leal

Above

Na tarde da última terça feira (19), o Vereador Professor Aleks Palitot recebeu em seu gabinete um grupo de engenheiros, arquitetos e representantes da Comunidade Paulo Leal, que fica localizada na Estrada da antiga Cachoeira do Teotônio, hoje um lago devido a inundação permanente causada pela instalação de uma usina de energia. A visita do grupo teve a motivação de buscar apoio junto ao Vereador, que é ativista das causas históricas, culturais e turísticas.

Para Geraldo Lima, presidente da Associação de Moradores e Produtores Rurais da Comunidade Paulo Leal, o lugar possui imenso potencial turístico, já que há relíquias em estado de abandono, como maquinários da antiga estrada de ferro e casas antigas, com arquitetura colonial, que marcaram toda a época da construção e funcionamento da Madeira Mamoré. “Nós hoje trabalhamos com agricultura familiar, mas temos a esperança de que um dia esse lugar possa virar um local atrativo para que a nossa história seja multiplicada e também, para que Porto Velho ganhe mais um aparelho turístico para receber pessoas de qualquer lugar do mundo”, comentou Geraldo.

Durante a reunião, a arquiteta Joana Frade, junto aos engenheiros civis Danilo Giolo e Ismael Braga, apresentaram o projeto arquitetônico digitalizado de uma prospecção de como o lugar pode ficar e ganhar o status de polo turístico. O Vereador Aleks Palitot ficou surpreso com a dimensão e a beleza do projeto, que cria um complexo com praça, museu, coreto e diversos atrativos que realmente podem mudar de vez a história daquela comunidade, mantendo a ideia inicial de revitalização e manutenção do que já existe. “Realmente é um projeto extraordinário e que tem total potencial para virar um aparelho sustentável de turismo, o que vai mudar para melhor a vida das pessoas e também dar mais qualidade de vida para os rondonienses. Eu vou buscar apoio junto a bancada estadual e federal para que esse sonho saia do papel e se torne realidade”, enfatizou o Vereador.

A comunidade hoje recebe visita de curiosos e um certo número de turistas, o acesso fica pela BR 364 sentido Rio Branco-AC, km 18 à direita e segue por uma estrada de chão até o km 16 aproximadamente. É possível avistar a linha férrea e as casas antigas, além das sucatas de locomotivas e outras máquinas antigas que serviam à Madeira Mamoré.

O Rondoniense/Assessoria

Below