Interior Rondônia

Vilhena recebe mais 5 respiradores do Governo Federal com ajuda de parlamentares; instalação acontece na próxima semana

Jaqueline Cassol, Maria Carvalho e Confúcio Moura viabilizaram equipamentos para cidade

A Prefeitura de Vilhena recebeu hoje do Governo Federal mais cinco respiradores para pacientes com covid-19. A entrega foi possível graças à articulação das deputadas federais Jaqueline Cassol e Mariana Carvalho, bem como do senador Confúcio Moura, após solicitação do prefeito Eduardo Japonês, do secretário municipal de Saúde, Afonso Emerick, e do vereador Rafael Maziero.

“Além de estarmos pensando nos servidores, com a aprovação de gratificação e contratando mais profissionais, nosso esforço diário é para equipar a Central de Atendimento à Covid-19. Esta entrega nos ajudará muito a salvar vidas, pois dois deles serão para a UTI e três, de menor porte, serão destinados para transporte de pacientes, caso seja necessário”, explica o prefeito Eduardo Japonês.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, os equipamentos deverão entrar em funcionamento na semana que vem, após a instalação de bombas infusoras e monitores. “Este reforço na nossa UTI para covid-19 é vital. O prefeito retornou de sua quarentena hoje, após cumprir o isolamento domiciliar e ter sido internado aqui, na Central. Em seu primeiro dia de trabalho após o tratamento ele volta para cá, mas por um bom motivo: a entrega de mais aparelhos que estão aqui devido a seu bom relacionamento político com as várias esferas do poder público. Eles garantirão maior condição de Vilhena enfrentar esta dura pandemia”, conta Afonso.

O vereador Rafael Maziero destacou a parceria dos parlamentares com Vilhena. “Estive em contato com a deputada Mariana nos últimos dias e expus a necessidade do município. Ela disse que resolveria e, unindo forças com a Jaqueline e o Confúcio, agora os respiradores estão aqui. Esse trabalho conjunto do Legislativo com o Executivo é fundamental para que consigamos contribuir, de fato, com ações relevantes para o combate ao novo coronavírus”, conclui.

Semcom