Connect with us

Hi, what are you looking for?

Brasil

Volta do auxílio emergencial surtirá efeito modesto na economia

CorreioBraziliense

A volta do auxílio emergencial vai ajudar milhões de brasileiros a pagar as contas e a colocar comida na mesa. Porém, diferentemente do que aconteceu no início da pandemia do novo coronavírus, a liberação do benefício não vai surtir o mesmo efeito na atividade econômica. Analistas explicam que a medida não deve evitar uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) neste início de ano; e falam até em uma recessão técnica neste semestre, mesmo com o retorno da ajuda do governo aos mais vulneráveis.

A nova rodada do auxílio emergencial foi acertada nos últimos dias pelo governo federal com o Congresso Nacional e tem provocado revisões nas projeções econômicas deste ano. Afinal, em 2020, o benefício elevou a renda, estimulou o consumo das famílias brasileiras e, dessa forma, reduziu praticamente pela metade o tombo do PIB do Brasil — no início da pandemia, organismos internacionais projetavam queda de 9% da economia brasileira em 2020, mas esse baque deve ficar perto dos 4,05%, conforme o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br). Quem já fez as contas do impacto econômico do novo auxílio emergencial, no entanto, diz que a medida não terá um efeito tão grandioso em 2021. Afinal, desta vez, o programa será mais enxuto.

A ideia do governo é fazer um pente-fino no cadastro dos 68 milhões de brasileiros que receberam o benefício no ano passado para continuar pagando a ajuda só para quem ainda precisa e, assim, gastar menos. Por isso, o novo auxílio deve chegar a um público de 32 milhões a 40 milhões de pessoas por um período de quatro meses, de março até junho, quando espera-se que o avanço da vacinação permita a normalização da economia brasileira. E o valor trabalhado pela equipe econômica para o novo auxílio varia entre R$ 200 e R$ 250, apesar de o Congresso Nacional querer levar a cifra para mais perto dos R$ 300 ou até dos R$ 600 pagos em 2020. O custo total do programa, que chegou a R$ 294 bilhões no ano passado, deve, portanto, ficar próximo dos R$ 30 bilhões em 2021.

Por conta desse enxugamento do auxílio emergencial, a XP Investimentos calcula que o programa vai provocar um aumento de 1% na massa ampliada de rendimentos do país neste ano, mas não vai compensar toda a perda de renda ocasionada pela pandemia de covid-19, como ocorreu em 2020. “Desta vez, não compensa tudo, porque o desemprego ainda é elevado e o auxílio terá um escopo bem mais limitado. Por isso, as famílias devem sentir um impacto negativo na renda, mesmo com a segunda rodada do auxílio emergencial”, afirmou a economista da XP Investimentos, Lisandra Barbero.

Muitos analistas acreditam, ainda, que boa parte desse dinheiro não deve ser direcionado para o consumo. Afinal, o auxílio será menor e deve chegar apenas em março, quando muitos brasileiros já estarão há dois meses sem ajuda do governo, sem trabalho e, consequentemente, com mais dívidas para pagar. “Quem mais precisa vai fazer o consumo de primeira necessidade, mas, às vezes, até para fazer compras no mercadinho é preciso pagar as dívidas primeiro. Então, boa parte desses recursos deve ser usada para pagar contas que estão atrasadas, como o mercado, a conta de água, a conta de luz. Logo, vai sobrar menos recurso para o consumo e o impacto no PIB será menor”, avaliou o economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale.

Infográfico sobre auxílio emergencial
Infográfico sobre auxílio emergencial(foto: Editoria de arte/CB/D.A Press)

Além disso, pontuou Lisandra Barbero, é difícil imaginar que os brasileiros que aproveitaram o auxílio emergencial para comprar bens duráveis e semi-duráveis, como eletrodomésticos, ou para fazer reformas em casa, façam essas compras novamente. “Parte do consumo foi antecipado. Por isso, o auxílio terá um impacto nas vendas, mas não tão grande como o de 2020. O comércio de alimentos e bebidas deve sentir mais o efeito, mas o de bens não essenciais nem tanto”, disse a economista.

Assim, a XP Investimentos acredita que o auxílio vai elevar o consumo das famílias em 0,13 ponto percentual no segundo trimestre e em 0,21 ponto percentual no terceiro trimestre de 2021. É um incremento bem mais modesto que o do ano passado, quando o auxílio fez o varejo brasileiro alcançar patamares recordes de vendas — o Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made) da Universidade de São Paulo (FEA/USP) calcula que o consumo das famílias brasileiras poderia ter despencado até 14,7% em 2020 por conta da crise da covid-19, mas caiu 6% já que foi impulsionado pelo auxílio emergencial.

Por conta disso, a volta do auxílio emergencial não deve causar mudanças significativas no PIB do Brasil em 2021, segundo economistas. Ao contrário, o que se vê nas últimas semanas são revisões negativas da atividade econômica. No último Boletim Focus, por exemplo, a mediana das projeções do mercado para o PIB deste ano caiu de 3,47% para 3,43% na semana passada. “Por enquanto, o impacto no PIB anual é nulo. Mantemos a projeção de um PIB de 3,4% neste ano, apesar da nova rodada do auxílio, até porque também precisamos entender quais vão ser os contrafactuais da nova rodada do auxílio. O efeito fiscal, por exemplo, pode elevar o risco Brasil, depreciar o câmbio e elevar a inflação, desacelerando o consumo, se não for bem calibrado”, explicou a economista da XP Investimentos.

CorreioBraziliense

Faça um comentário

Você pode gostar

Brasil

    Na minha contínua necessidade de “ler o mundo”, um dos caminhos é a leitura de jornais. Essa “troca de ideias” com pessoas...

Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulga balanço...

Cultura

Oi, aqui é o Álisson, prazer, quem me conhece pessoalmente sabe que sou bocudo  –  em várias variáveis, inclusive. Começo pelo meu fenótipo: boca...

Capital

Realizado nesta quarta – feira (07), um leilão na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), na qual foram leiloados 22 aeroportos em 12...